Trio Mzuri Sana mostra em CD seu rap intelectual

Ópera Oblíqua (Trama) é, de fato, o primeiro CD de carreira do trio Mzuri Sana, liderado pelo rapper Parteum, que a cada novo trabalho, seja solo ou em conjunto, reforça sua força no movimento. Eles chegaram a lançar, em 2003, um EP, um formato de álbum bem mais enxuto, retendo ali um pouco do que estavam aprontando. Mas o trabalho consolidado vem mesmo com este novo disco.O título, Ópera Oblíqua, faz referência ao escritor, negro, Machado de Assis. Logo que o CD começa a rodar, na faixa-título, o trio manda o recado: ?Segundo a tradição machadiana, tudo cabe na mesma ópera. Um de seus ilustres personagens disse: a vida é uma grande ópera.? Metaforicamente, é uma maneira de mostrar que o hip-hop tem capacidade de agregar e dialogar com outros gêneros musicais.Esses tipos de sutileza, de referências a Machado e mesmo a Pablo Neruda, dão indícios que Parteum com o MC Secreto e pelo DJ Suissac representam a intelectualidade rapper, sem pedantismo.Além disso, o que enriquece o projeto Mzuri Sana é a experiência individual de cada um deles. Também compositores, cada qual dá generosamente sua contribuição, ajudando a consolidar a identidade do grupo. Além das letras cheias de engajamento e alertas, separaram três faixas instrumentais: Slick, Boy!, de Parteum, Do Espaço, de Suissac, e Improvise, de Secreto. Participação especial dos manos do rap como Rappin? Hood, e do metal, Iggor Cavalera.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.