Trio Celibidache apresenta-se em São Paulo

O Trio Celibidache apresenta-se nesta segunda e terça-feira na Sala São Paulo, dando continuidade à temporada 2001 do Mozarteum Brasileiro. O nome do conjunto, que toca peças de Beethoven, Schubert, Jean Français e Ernest Von Dohnányi, é uma homenagem a Sergiu Celibidache, que durante anos dirigiu a Orquestra Filarmônica de Munique, de onde vêm os integrantes do trio.Amanhã, o programa traz o Trio em Si Maior D. 471, de Schubert, o Trio Op.9, em Sol Maior, de Beethoven, e a Serenata Op. 10, de Von Dohnányi. Na terça, a peça de Schubert dá lugar ao Trio, de Jean Français.O violinista Lorenz Nasturica, o violista Emilian Dascal e o violoncelista Rodin Moldovan passaram por grandes orquestras, como a da Ópera Nacional de Helsinque, antes de se unirem em um conjunto de câmara, criado em 1999. Os três trabalharam diretamente com Celibidache na época em que ele dirigiu a Filarmônica. Na verdade, o maestro foi responsável pelo resgate da orquestra que, sob sua batuta, se transformou em uma das principais do mundo.O maestro romeno ficou conhecido pelo andamento mais lento que imprimia à leitura de peças, em especial dos períodos clássico e romântico, e pela aversão que tinha a gravações - acreditava que os métodos mecânicos de reprodução distorciam a interpretação musical. Hoje, restam algumas gravações - editadas pelo selo EMI Classics em uma série de aproximadamente dez discos - feitas por rádios estatais de concertos ao vivo.Sua escolha de andamentos rendeu críticas que discutiam a razão de se tocar "tão devagarinho". De fato, o que interessava a Celibidache era mais que isso. O que ele propunha era uma interpretação em que se pudesse ouvir cada som, cada nuance. Característica que o trio procura manter em suas apresentações.Trio Celibidache. Segunda e terça-feira, às 21 horas. De R$ 10,00 a R$ 70,00. Sala São Paulo. Praça Júlio Prestes, s/n.º, tel. 3337-5414.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.