Trilha de "Uma Lição de Amor" é tributo a Beatles

Sam, em sua ingenuidade ímpar, sempre acreditou que as músicas dos Beatles trazem mensagens de sabedoria. Tanto que os relacionamentos, brigas e todos os fatos que acontecem em sua vida só conseguem ser explicados pelas músicas do quarteto inglês. É verdade que Sam não passa de um personagem vivido por Sean Penn no filme arranca-lágrimas Uma Lição de Amor. Mas qual fã de música pop não adorou ver nas telas alguém assumindo que certas canções podem significar muito mais do que simples minutos de entretenimento. Talvez venha daí o charme da deliciosa trilha sonora do filme, que traz as histórias da vida de Sam e de muitos outros fãs em 19 versões para as canções dos Beatles. A trilha de Uma Lição de Amor (Sum Records, R$ 25) é um tributo disfarçado, mas que guarda grandes revelações. As músicas escolhidas não são os sucessos fáceis do inconsciente coletivo. Pelo contrário, a maioria das composiçõess são do período pós-65, ou seja, época em que o quarteto não tinha medo de experimentar. Ouvir músicas do Fab Four em filmes, documentários ou até em clipes passou a ser extremamente raro desde que Michael Jackson e seu pequeno ego arremataram os direitos autorais do grupo no início da década de 80. A saída do diretor Jessie Nelson foi convidar artistas contemporâneos, como Ben Harper, Wallflowers, Stereophonics e Sheryl Crow, para interpretarem as canções - cada um com seu toque característico. As surpresas ficam por conta do menino prodígio canadense Rufus Wainwright com Across The Universe, a doçura de Sarah Mclachlan em Blackbird e a emocionante Don´t Let Me Down feita pelo Stereophonics. As melhores versões são obviamente aquelas que não diferem muito das originais. A única regra básica é seguir à risca a cartilha escrita por John, Paul, George e Ringo. Prova disso são as impecáveis versões de You´ve Got To Hide Your Love Away, feita por um Eddie Vedder solitário e contido, Strawberry Fields Forever, que ficou bem mais "fácil" na bela voz de Ben Harper, e I´m Looking Through You, do Wallflowers. Mas a banda americana Grandaddy descobriu às duras penas que o cancioneiro dos Beatles é praticamente intocável. A unica escorregada da trilha ficou por conta do grupo, que simplesmente destruiu a faixa Revolution com uma roupagem moderninha, pretenciosa e intragável. Outras canções, embora não cheguem a entusiasmar, foram recriadas de maneira correta - como Two of Us, por Aimee Mann e Michael Penn (irmão de Sean), I´m Only Sleeping, com The Vines, e a redenção de Paul Westerberg (ex-fundador do Replacements) em Nowhere Man. A lista ainda traz Ben Folds exorcizando Paul McCartney dentro de si em Golden Slumbers, Black Crowes, e Nick Cave. Se as músicas dos Beatles chegam a trazer mensagens de sabedoria ou não, depende de cada ouvinte. Mas segundo palavras do prórpio diretor do filme, "simplesmente ouvir boa música de vez em quando já é um ato bem sábio".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.