GUILHERME SOBOTA/ESTADÃO
GUILHERME SOBOTA/ESTADÃO

Tributo ao rock brasileiro marca o show do Nem Liminha Ouviu

Banda se apresentou às 15h30 em um dos palcos do Lollapalooza

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

28 Março 2015 | 16h37

Cinco caras num palco tocando com força: é esse princípio básico do rock n roll o ponto de partida da banda Nem Liminha Ouviu, que se apresentou há pouco em um dos palcos do Lollapalooza.

Espécie de banda tributo ao rock paulistano dos anos 1980, liderada pelo vocalista Tatola (ex-Nao Religião), o Nem Liminha Ouviu ganhou um horário bom em comparação às outras bandas brasileiras do dia. "Viva o rock" foi a frase que o vocalista mais falou durante o show.

O quinteto merece respeito e com o repertório emprestado de bandas da década de 1980, como Muzak, Replicantes, Inocentes, Escola de Escândalo e o próprio Não Religião, arrebanhou o público um pouco mais velho do festival (minoria absoluta).

As jovens fãs que aguardam o show de st Vincent, o próximo do palco Axe, tiveram que aguentar uma hora de músicas que celebraram o punk de SP - o nome da banda é uma referência ao produtor que gravou todo mundo na década de 1980, de Caetano ao Ultraje.

"Muito do rock nacional passa pela cabeça desse cara", chamou Tatola. Clemente, lenda do Inocentes e da Plebe Rude, cantou Pátria Amada e Até Quando Esperar. Ele até escorregou no palco, mas isso é o de menos. O primeiro mosh pit do Lolla aconteceu ali.

Luiza Possi ainda subiu ao palco para cantar Armadilha, do Finis Africae, popularizada pelo Biquini Cavadao.

O Nem Liminha Ouviu é formado pelo vocalista Tatola (ex-Não Religião), Wecko (guitarra), Marcão (baixo), Gabriel (guitarra) e Jacaré (bateria). 

Mais conteúdo sobre:
LollapaloozaMúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.