Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Reuters/Mario Anzuoni
Reuters/Mario Anzuoni

Tribunal volta a se reunir para discutir caso Britney Spears

Três semanas após a cantora denunciar uma tutela abusiva, corte se reúne em Los Angeles

Andrew Dalton, AP

14 de julho de 2021 | 07h48

Três semanas depois dos dramáticos comentários de Britney Spears no tribunal e que condenou a tutela que controla sua vida por 13 anos, um grupo de juízes de Los Angeles, com poderes legais sobre a estrela pop, se reunirá para uma audiência nesta quarta-feira, 14, a partir das 17h30 (horário de Brasília).

Os comentários de Spears levaram à renúncia de seu advogado nomeado pelo tribunal, a retirada de uma empresa de administração de imóveis que deveria supervisionar suas finanças e uma troca de acusações entre seu pai e um conservador profissional sobre quem é o culpado pelas circunstâncias legais que Spears diz ser “abusivos” e que precisam acabar.

Não se espera que Spears fale novamente na audiência da tarde, na qual todas as partes devem participar remotamente, mas ela pode opinar enquanto procura contratar um advogado de sua escolha.

Na audiência de 23 de junho, em suas primeiras palavras públicas no tribunal sobre o assunto, Spears disse que estava sendo forçada a tomar medicamentos e usar um dispositivo intrauterino para controle de natalidade. Afirmou ainda que não tinha permissão para se casar com o namorado e que desejava administrar o próprio dinheiro.

“Só quero minha vida de volta”, disse a cantora. Ela criticou duramente seu pai, James Spears, que atua como controlador de suas finanças, e disparou críticas mais moderadas para Jodi Montgomery, a profissional nomeada pelo tribunal, que supervisiona suas escolhas de vida.

James Spears afirmou que o tribunal precisa investigar as acusações e o papel de Montgomery, apontando que a vida pessoal de sua filha está além de seu controle. Ele se opôs ao pedido de Montgomery para contratar seguranças por causa das recentes ameaças de morte, dizendo que foi submetido a ameaças semelhantes por anos.

Montgomery negou que Britney Spears foi impedida de se casar ou forçada a usar métodos anticoncepcionais. Ela atacou James Spears, dizendo que Britney não expressou nenhum desejo de demiti-la como fez com seu pai.

Montgomery disse ainda que está comprometida em permanecer no emprego e está implementando um plano de cuidados para acabar com a tutela, algo que, segundo ela, James Spears não expressou desejo de fazer.

Tudo o que sabemos sobre:
Britney Spearsmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.