Reuters
Reuters

Tribunal acusa Phil Spector de homicídio não premeditado

Produtor de rock poderá ser condenado à prisão perpétua pela morte da atriz Lana Clarkson, na mansão dele

Associated Press,

13 de abril de 2009 | 19h58

O produtor de rock Phil Spector, de 64 anos, foi declarado culpado de homicídio não premeditado pela morte a tiros da atriz Lana Clarkson, na mansão dele há seis anos. Um jurado do Tribunal Superior de Los Angeles divulgou o veredicto nesta segunda-feira, 13, após 30 horas de deliberações. Os jurados tinham a opção de escolher homicídio involuntário, mas não decidiu por ela.

 

Spector poderá ainda ser condenado à prisão perpétua. A sentença será conhecida em 29 de maio e o juiz não permitiu a libertação do réu sob fiança até a data da sentença. A jovem esposa de Spector, Rachelle, começou a soluçar após a leitura do veredicto. Spector, que na década de 1960 criou a técnica de gravação conhecida como "Wall of Sound" (Parede de Som) para músicas de rock, insinuou em uma entrevista à revista Esquire um ano depois da morte da atriz, que Lana havia cometido suicídio.

 

Lana Clarkson, de 40 anos, estrela do cult dirigido por Roger Corman Barbarian Queen, de 1985, morreu por um tiro disparado em sua boca enquanto estava sentada em um dos quartos da mansão de Spector em 2003. Ela o havia conhecido apenas horas antes de seu trabalho como recepcionista no club noturno House of Blues, na Sunset Strip de Hollywood.

Mais conteúdo sobre:
Phil SpectorRamones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.