Três ilustres portelenses em CD

São três ilustres portelenses. Trêsdos nomes maiores do samba. Dois deles nunca tinham gravadodisco-solo. Andam pela casa dos 80 anos e são ativos eprodutivos: Jair do Cavaquinho e Argemiro Patrocínio. O outro éWilson Moreira, famoso pelas parcerias com Nei Lopes (SenhoraLiberdade, Goiabada Cascão, Fidelidade Partidária),com outros solos na bagagem e a promessa, no título do novotrabalho - Entidades I -, de que haverá mais. Jair e Argemiro são da Velha Guarda da Portela, grupopara o qual a cantora Marisa Monte produziu, em 1999, o discoTudo Azul. A cantora tem ligação histórica com a escola -pai e avô foram diretores, lá. Durante a gravação de TudoAzul, surgiu a idéia de fazer o solo de Argemiro, que começoua compor tarde, aos 56 anos. Juntaram-se Marisa, a cantoraTeresa Cristina (uma jovem revelação de sambista), o violonistaPaulão Sete Cordas e o compositor Mauro Diniz, para selecionaras faixas do disco de Argemiro. Escolheram 15 faixas. Marisa assina a produção eparticipa de uma delas, Dizem que o Amor, parceria deArgemiro com Francisco Santana. Outros convidados especiais sãoZeca Pagodinho (A Saudade Traz, de Argemiro e AlbertoLonato), Teresa Cristina (Amém, dela e do titular do disco),Moreno Veloso (Vou Me Embora pra Bem Longe), além dovioloncelista Jaques Morelenbaum. O disco sai pelo selo Phonomotor, de Marisa, que temdistribuição da multinacional EMI. Também da dobradinhaPhonomotor/EMI é o CD Seu Jair do Cavaquinho. A idéia derealizar o disco foi do bandolinista e violonista tenor PedroAmorim, que iria produzi-lo para a gravadora independente Acari.Um acerto levou o trabalho final, que tem arranjos assinadospelo produtor, para o selo de Marisa. Sócio número 1 da Portela, Jahyr de Araújo Costa (comoestá na carteira de identidade) integrou os conjuntos Rosa deOuro (em que aparecia, pela primeira vez, um certo Paulo CésarFaria, depois Paulinho da Viola), A Voz do Morro, Os CincoCrioulos, foi gravado por Elisete Cardoso e Nara Leão, é ídolode Paulinho da Viola, parceiro de Élton Medeiro. O primeirodisco-solo é seu presente de aniversário. Completa 80 anos nasexta-feira. Wilson Moreira Serra é neto e sobrinho de jongueiros etocadores de caxambu - e seus recentes trabalhos mostram umavolta do partido alto de sabor urbano àquelas manifestações queestão na raiz do mesmo partido. Não por menos, o disco leva onome de Entidades I. Lançado pelo selo Rádio MEC, reverenciaentidades da cultura negra e apóia a estrutura em jongos(Jongueiro Cumba), calangos (Forró no Cafundó,), congadas(Congada pra Sinhô Rei). Compositor sofisticado, WilsonMoreira, nascido no subúrbio de Realengo, tem mais discoslançados no Japão (como o penúltimo que saiu aqui, Okolofé,produzido originalmente para o mercado japonês) do que noBrasil. Hora de corrigir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.