Denise Andrade / Estadão
Denise Andrade / Estadão

Trajetória da cantora Baby do Brasil será retratada em documentário

Dirigido por Rafael Saar, 'Apopcalipse Segundo Baby' é uma coprodução do Canal Brasil com a Dilúvio Filmes e chegará em 2022

Eliana Silva de Souza, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2020 | 10h50

Uma das grandes cantoras brasileiras, Baby do Brasil terá sua trajetória pessoal e artística retratada no documentário Apopcalipse Segundo Baby, de Rafael Saar. Uma coprodução do Canal Brasil com a Dilúvio Filmes, longa-metragem tem estreia programada para 2022. "Esse filme vai mostrar, com muita verdade, a Baby de verdade, ou melhor a Baby da Verdade", afirma a cantora.

"Esse filme é sobre a minha trajetória no planeta Terra, até o momento, traz cenas reais e profundas da minha vida", afirma Baby sobre a produção, destacando o trabalho do jovem diretor e que "não tem barreiras e, nenhum compromisso a nao ser com a fidelidade dos fatos".

O documentário, acompanha a cantora, ícone da contracultura e do movimento hippie brasileiro, desde 2008, registrando seu retorno aos palcos. Houve também um extenso trabalho de pesquisas de imagens de acervo e remonta, ao lado da protagonista, parte de sua trajetória, desde a infância em Niterói, passando pela ponte cujas marquises fizeram as vezes de moradia para a cantora em um momento de sua vida, passando pelo caminho de Santiago de Compostela (Espanha), tradicional rota de peregrinação religiosa, até a vida com os Novos Baianos e os trios elétricos – ela foi precursora no carnaval de rua de Salvador. "Ele (Rafael Saar) acompanha a minha trajetória desde menina e essa fidelidade na mistura do meu lado espiritual, tão  forte na minha vida, com o meu lado natural, me cativaram para caminharmos juntos nesse roteiro de vida apopcalíptico." 

O filme traz ainda encontros com Elza Soares e Ademilde Fonseca - suas duas maiores influências na música - além, claro, dos eternos companheiros dos Novos Baianos.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.