Hoppie Newton
Hoppie Newton

Tocar no exterior se torna alternativa para bandas independentes do Brasil

Bandas como Boogarins, O Terno, Far From Alaska, The Baggios e Liniker e os Caramelows discutem as possibilidades de se apresentar na Europa e Estados Unidos

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017 | 06h03

Eram poucos shows no Brasil, seis em Goiânia, onde a banda nasceu, alguns outros por São Paulo, e logo os passaportes já estavam emitidos, carimbados e fronteira cruzada. Com pouco tempo de existência, o Boogarins pisava nos Estados Unidos para a primeira turnê fora do País. E o guitarrista Benke Ferraz, três anos e três discos depois, olha para traz e reflete: “É, a gente não sabia de nada ainda, mesmo”, brinca. E ri. 

Caso de maior sucesso da música independente fora do País, o Boogarins é uma exceção – um grupo capaz de passar longas temporadas no estrangeiro e voltar sem ter gasto todas as economias –, mas não a única banda nacional a se aventurar além das fronteiras, para experimentar novos públicos, entender o funcionamento do mercado estrangeiro e quem sabe, se divertir. 

Toda a trajetória dos Boogarins é daquelas a colorir os sonhos psicodélicos dos mais indies: um projeto iniciado por Benke e Dinho Almeida (voz e guitarra), gravado no quarto do primeiro, cujas canções, ainda cruas, foram enviadas para selos e blogs norte-americanos. E, de repente, uma resposta: a gravadora Other Music gostaria de assinar com os guris. A banda foi montada, com a adição de Raphael Vaz, no baixo, e Hans Castro, nas baquetas, e seguiu, ainda verde, para fora do País com o suporte financeiro da gravadora, mas nada que pagasse, integralmente, o combo de passagens, hospedagem e transporte durante a estada fora. 

“Cada banda deve ser o que é melhor para ela e qual é seu interesse ao ir para fora”, aponta Benke. O Boogarins fez shows sem receber cachê, tocou por US$ 100 – “o que não é suficiente para cobrir nenhum dos gastos que tínhamos” –, mas hoje faz turnês longas por Estados Unidos e Europa de quatro a seis meses.

Os dois últimos discos deles, Manual (de 2015), e Lá Vem a Morte (deste ano), foram registrados na Espanha, e em Austin, no Estado norte-americano do Texas, respectivamente, durante essas excursões, e ganharam críticas elogiosas de veículos do exterior, como The New York Times e The Guardian. 

Diferentemente do Cansei de Ser Sexy, a última banda brasileira a sacudir as cabeças dos gringos e até adaptou seu nome para a sigla CSS e ser pronunciável no exterior, o Boogarins não abriu concessões estéticas e – inclusive, mantém o português nos versos de suas composições e provou que há mercado para isso fora daqui. 

Não é a toa que hoje o Brasil tem a segunda maior delegação a embarcar para o South By Southwest, festival costumeiramente realizado em março e transforma Austin, por dez dias, da meca da música alternativa do mundo – a quantidade de artistas brasileiros a se apresentar por lá só é menor do que a de britânicos.

A importância do País é tamanha para o festival que até foi criado o cargo ocupado atualmente por Tracy Mann para estabelecer e desenvolver os laços entre a música brasileira e o festival. “Entendo que existe falta de lugares para tocar no Brasil, por isso a necessidade de experimentar novos mercados”, avalia ainda Tracy. 

Mais do que aproveitar a apresentação em um festival como SXSW para criar público, o caminho a seguir é criar, ali, oportunidades de conhecer agentes de mercado e empresários estrangeiros, já que o festival atrai “olheiros” e os estrangeiros, atualmente, estão de em busca de material produzido por aqui.

Bruno Montalvão, agente artístico e dono da Brain Productions, especializada em levar artistas nacionais ao exterior, vê a viagem como um investimento de médio prazo.

“É lógico que é um passo difícil de dar e não vai dar um retorno imediato. Isso só vai acontecer lá pela terceira turnê”, explica ele, responsável por viabilizar, recentemente, a ida do duo The Baggios, de Aracaju, ao Canadá (no festival Pop Montreal) e aos Estados Unidos.

“É interessante sair da zona do conforto. Começar tudo de novo”, diz Julio Andrade, o vocalista e guitarrista da dupla de rock explosivo. “Mas foi importante fazer contas, ver se valeria a pena. Com o dinheiro, poderíamos estar gravando um novo disco”, explica o músico, que optou por viajar.

E voltam em novembro para a cerimônia de premiação do Grammy Latino, na qual o disco Brutown, do duo, foi indicado como melhor álbum de rock ou música alternativa. Para Montalvão, embora seja importante ser cuidadoso, os Estados Unidos são um mercado a ser explorado atualmente pelas bandas brasileiras. “Estabelecendo-se lá, abrem-se as portas para tocar em outros lugares do mundo.” 

O mesmo, na opinião de Fernando Dotta, músico e cofundador do selo Balaclava Records, funciona para o Primavera Sound, outro festival queridinho dos brasileiros, desta vez realizado em Barcelona, na Espanha. Assim como o SXSW, o Primavera não paga cachê, mas usa do discurso de que a presença no cartaz do festival atrairá a tenção de casas de shows e empresários europeus.

Em 2014, por exemplo, Dotta e sua banda Single Parents focam escalados e “cinco minutos depois do anúncio chegou um e-mail nos chamando para tocar em Portugal”, ele explica. “Isso é muito comum. E, nessa turnê fora do festival, eles pagam os cachês.”

E não são todas as bandas que investem pesado na carreira internacional, mas ela acontece. O Terno, de São Paulo, passou por Nova York em agosto e, agora nos dias 26 e 28 de outubro, se apresentam em Lisboa (Portugal) e Colônia (Alemanha), respectivamente. “Mas é algo pontual”, aponta Tim Bernardes.

Para Ricardo Rodrigues, empresário da banda Liniker e os Caramelows, prestes a embarcar na quinta turnê em dois anos de grupo, o mercado internacional já representa um terço do potencial de renda de uma banda, se tudo for bem organizado. “Hoje é essencial”, ele afirma. 

O Boogarins, por exemplo, agora tem empresário no exterior, não tem mais vínculo com a gravadora e opera no azul quando viaja ao exterior. “É perrengue, sim”, garante Benke. “Mas é um perrengue bom.”

Plataformas digitais auxiliam artistas no mapeamento 

Quando Alexandre Pires deixou o grupo SPC a convite da gravadora para se aventurar no mercado de música latino como cantor pop em espanhol, em 2001, a internet engatinhava. Deixou o Brasil, mudou para Miami. “Não existia essa comunicação direta, diferentemente de hoje”, conta o mineiro e o trabalho de divulgação era corpo a corpo.

E, hoje, esse caminho é desnecessário. Basta ver os casos de Anitta, a cantora pop brasileira de maior sucesso no exterior da atualidade, e DJ Alok. Sem grandes turnês pela América do Norte, ela teve um crescimento de 839% em execuções de suas músicas no serviço de streaming Spotify, de janeiro a setembro deste ano.

Foi quando ela passou a lançar músicas em inglês (como Is That For Me e Will I See You) e em espanhol, com o hit Paradinha – a 127ª música mais ouvida em todo o mundo no serviço. 

O DJ Alok, com a facilidade de circulação da música eletrônica, tem sua canção Hear Me Now na 27ª posição do mesmo ranking. 

As plataformas também permitem um mapeamento de cidades e países que escutam uma banda, como o caso do Far From Alaska, que percebe um aumento de audições das suas músicas na França e nos EUA após show nos dois países. “No ano que vem, vamos investir muito mais na carreira internacional”, diz Emmily Barreto, vocalista da banda. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.