Titãs testam no palco suas novas canções

Os Titãs, o grupo mais irônico a aparecer no País nas últimas três semanas, está de volta. Se é para chutar mesmo os baldes do show biz, como os próprios roqueiros se permitiram fazer na música A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana, resta a menção honrosa por se tratar da banda preferida dos camelôs que vendem CDs piratas pelo País. Ainda nada se sabe sobre o paradeiro das 60 mil cópias levadas por assaltantes no início do mês.Ainda que com todas as conspirações contrárias, o retorno está selado. E retorno aqui tem amplos sentidos. Retorno aos palcos, retorno às gravações de músicas inéditas, retorno à sonoridade antiga. Bem, esta última requer ressalvas. Não é o Titãs de Cabeça Dinossauro que está sendo ressuscitado. Seria mais o Titãs de Domingo, algo que já deve ser comemorado pelo fato de pelo menos não ser o Titãs de As Dez Mais.A noite de hoje, agora sem ironias, será uma das que mais sensações deverá causar aos seguidores da geração que cresceu com Plebe Rude, Paralamas, Legião Urbana e Ira!. Em única apresentação no Credicard Hall, o grupo faz sua primeira aparição sem o guitarrista Marcelo Fromer. E traz músicas novas após seis anos vivendo de glórias passadas, com regravações de regravações lançadas em três álbuns consecutivos.Novo titã - No lugar de Fromer, se é que há substituto para suas frases de guitarra, quem entra é o jovem Emerson Villani. Guitarrista excelente, de conhecimento teórico apurado e larga experiência em palcos e estúdios, Villani toca ainda com o grupo Funk Como le Gusta, com a banda que acompanha a carreira-solo de Miklos e foi membro do grupo Patife Band, nos anos 80. Mas é bom lembrar que o grupo, agora, é um sexteto. Villani é um convidado e entra após longas discussões entre os integrantes da banda, que matutaram muito antes de decidirem pelo substituto. Como a parte que seria de Fromer em algumas músicas já estavam prontas, não havia outra forma senão convocar outro guitarrista. A idéia no novo disco, de voltar ao rock básico e duro, também reforçou a vinda de Villani. "Pensamos em uma forma de não perdermos o peso", disse Nando Reis em recente entrevista ao Jornal da Tarde. Outro convidado será o percussionista Marcos Lobo.O show foi preparado para ter 1h30 de duração. Serão usadas muitas músicas do novo disco, como a faixa título A Melhor Banda de Todos os Tempos..., Epitáfio, Cuidado com Você, Não Fuja da Dor e Vamos ao Trabalho. E não faltarão criações dos anos 80 e dos acústicos (Acústico MTV e Volume 2) dos 90.As atenções dos repórteres que partiram para as entrevistas com o grupo estiveram voltadas ao tema da canção A Melhor Banda... Parte da letra diz o seguinte: "Quinze minutos de fama / Mais um pros comerciais / Quinze minutos de fama / Depois descanse em paz / O gênio da última hora / É o idiota do ano seguinte / O último novo rico / É o mais novo pedinte." E segue em uma ironia desbocada e auto-destrutiva: "Os bons meninos de hoje / Eram os rebeldes de outra estação / O ilustre desconhecido / É o novo ídolo do próximo verão." Mas na hora da entrevista, o que parecia crítica não era nada mais do que autocrítica. "Falamos mal de nós mesmos", soltaram em uníssono.Titãs. Hoje, às 21h30. Credicard Hall (Av. das Nações Unidas, 17.955, tel. de informações: 5643-2500) Preços: de R$ 20 a R$ 100.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.