Titãs fazem show de lançamento do MTV ao Vivo

Já ouviu falar de Fortaleza de São José da Ponta Grossa? É um pedaço paradisíaco da ilha de Florianópolis, em Santa Catarina, que os Titãs escolheram como cenário para a gravação do novo CD e DVD, MTV ao Vivo. E para quem não pôde conferir o show com direito à brisa do mar em agosto, terá a chance de vê-los tocando hoje e amanhã no Citibank Hall com o mesmo cenário de metal ao fundo e com ainda mais canções que não couberam no compacto. "O MTV ao Vivo recupera músicas do nosso repertório dos anos 80 e 90, sem esquecer os nossos últimos lançamentos", conta o baterista Charles Gavin. Eles já rodaram boa parte do País e agora chegou a vez de São Paulo e do Rio (no próximo fim de semana, no Canecão). "O público por aqui é muito mais exigente, justamente porque em São Paulo, por exemplo, temos muitos shows bons com mais freqüência. Falo por mim, que sou paulista e não sou muito festivo, aplaudo com muito mais dificuldade", diz ele. Acompanhados pelo baixista Lee Marcucci e o guitarrista Emerson Villani, Branco Mello, Charles Gavin, Paulo Miklos, Sergio Britto e Tony Bellotto vão apresentar as três músicas inéditas que ainda não tinham incluído em nenhum outro disco: Vossa Excelência (de autoria de Gavin, Miklos e Bellotto), Anjo Exterminador (de Sergio Britto) e O Inferno São os Outros (de Mello, Gavin e Bellotto). As clássicas Flores, Bichos Escrotos e Polícia também não vão ficar de fora do repertório. "Acredito que conseguimos reunir músicas para compor um repertório bem equilibrado no CD e no DVD", afirma Gavin. "É claro que sempre vai faltar muita coisa. No show do U2, por exemplo, eu senti falta da fase eletrônica deles dos anos 90." Lançado em setembro pela Sony/BMG, Titãs MTV ao Vivo é o terceiro álbum ao vivo da banda, de um total de 15 CDs. A banda lançou o seu primeiro disco ao vivo em 1988, Go Back, e em 1997 veio o segundo, Acústico MTV. No ano que vem, os Titãs completam 25 anos de estrada cheios de histórias na bagagem. Como por exemplo, da estréia ainda amadora da banda em 1981 no palco do colégio paulistano Equipe, ponto de resistência cultural desde o fim da década de 70, durante a ditadura militar. O primeiro nome que a banda levou foi Titãs do Iê-Iê, que nada tem a ver com o ´iê-iê-iê´ da Jovem Guarda, mas sim com uma brincadeira dos jovens músicos com os experientes artistas que passavam por aquele palco, do porte de Milton Nascimento, Caetano Veloso e Gilberto Gil. Se considerarmos a longa vida do grupo, até que o número de músicos que passaram pelos Titãs foi relativamente pequeno: Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer, Nando Reis, Ciro Pessoa e André Yung foram os nomes que já integraram a banda. Em 11 de junho de 2001, um dia antes de o grupo entrar em estúdio para gravar o 13.º álbum da carreira, A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana, o guitarrista Marcelo Fromer foi atropelado por uma motoqueiro em São Paulo e morreu dois dias depois. Gravar o disco tornou-se um desafio e a força para concluí-lo veio da vontade de homenagear aquele que ajudou a fundar o grupo. A música Epitáfio, do álbum, tornou-se um grande hit e um mantra ao carpe Diem. Titãs. Citibank Hall. Av. Jamaris, 213, 6846-6040, Moema. Hoje e amanhã, 22 h. R$ 50 a R$ 100.

Agencia Estado,

24 de março de 2006 | 10h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.