The Killers lançam seu segundo CD, "Sam´s Town"

Em um ano de existência, entre 2004 e2005, o quarteto The Killers, de Las Vegas, conseguiu serindicado a cinco prêmios Grammy e vender 5 milhões de cópias de seudisco de estréia, "Hot Fuss". Uma música deles freqüentou todasas paradas mundo afora: "Somebody Told Me". Sua gênese veio de uma produção completamente indie. Em2003, o selo inglês Lizard King lançou o hit "Mr. Brightside", oque levou a banda a ganhar o epíteto de "o melhor grupobritânico do mundo que não é britânico". Dois anos depois de seusurgimento, já são headliners do principal festival de rock daEuropa, o Glastonbury.Agora, em 2006, viram-se frente ao desafio do segundo disco, quechegou na semana passada também ao Brasil: "Sam?s Town"(Universal Music). Mas, agora, Os Matadores voltaram cheios demunição. Primeiro, armaram-se de dois produtores de peso, Flood(que trabalhou com o U2, Depeche Mode e Nine Inch Nails) e AlanMoulder (que produziu Smashing Pumpkins). Parte do fascínio do Killers está na voz épica e nainsolência de Brandon Flowers, cantor de 25 anos que professa areligião mórmon, mas fuma e bebe, e que tem propensão a falarmais do que a boca. "Acho que foi Bob Dylan quem disse que vocênão pode ser um mórmon e ser cool ao mesmo tempo. Mas eu não sei Eu me sinto bastante cool às vezes".Essas platitudes religiosas passam muito superficialmente pelamúsica do Killers. Por exemplo: no novo disco, a segunda faixa,"Enterlude", é como se fosse uma daquelas pequenas orações quese fazem antes das refeições, voz e piano: "Esperamos que vocêaproveite sua estada/É bom ter você conosco/Mesmo se for só porum dia/Lá fora o sol está brilhando/Parece que o Paraíso nãoestá tão longe/É bom ter você conosco, mesmo se for só por umdia." Suas influências saltam aos ouvidos a cada faixa: TheCure, Smiths, Duran Duran, New Order, Bruce Springsteen e outrasmais remotas. "Comprei ´Greatest Hits´, do Cars, quando tinha 12anos, Era esquisito porque, enquanto todos os outros garotosestavam comprando Tool e Nirvana, eu comprava The Cars ePsychedelic Furs. Eu era muito alienado quando garoto", contouFlowers. Fora isso, obviamente, há "Rattle and Hum", do U2, queele aprendeu a gostar ouvindo na coleção do irmão 12 anos maisvelho, e o David Bowie dos anos 70, que ele venera. Flowers temaquela esquisitice que os garotos adoram num rock star. Jogagolfe, chegou a expressar admiração patriótica por George W.Bush e diz que só beijou pela primeira vez quando já erapós-adolescente, em Las Vegas. Tem uma história engraçada sobre Flowers, que ele contouà revista Spin. Uma vez, ele trabalhava como carregador de malasno hotel Gold Coast e o guitarrista da banda de Morrissey, BozBoorer, se hospedou lá. Flowers, óbvio, o conhecia. O músicopediu ao mensageiro do hotel para guardar uma sacola sua com CDsenquanto ele ia tomar um drinque. O garoto não teve dúvidas:levou a sacola para fuçar nas coisas de Boorer, e um dos discosera uma cópia que dizia "The Album". Eram as canções inéditas deYou Are the Quarry, que só sairia meses depois. Flowers afanou acópia. "Eu não devia ter feito isso, até hoje me sinto mal." Ele chuta e alisa e delira. Outro dia, Flowers contouque o nome da sua banda o assusta porque "matador" pode seaplicar a ele próprio - pode ter atropelado um bêbado que cruzoua pista na frente de seu carro tempos atrás. Não sabe onde nemquando. E acusou o grupo The Bravery de ser uma mera cópia dasua banda mas, meses depois, segundo Sam Endicott, vocalista doBravery, ligou para pedir desculpas e dizer: "Fui um babaca."Mas esqueçam os gossips: ele canta com rara entrega eintensidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.