J.F.DIORIO/AE
J.F.DIORIO/AE

The Cult traz a força de um rock sem década

Banda de Ian Astbury faz sequência matadora no Allianz Park

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2017 | 21h08

Não é por acaso que o guitarrista Billy Duffy pede para colocarem no palco dois ventiladores, um à sua frente e outro ao fundo do palco. É ele mais a precisão do baterista John Tempesta e o vocal ainda firme de Ian Astbury que carregam nas costas boa parte de uma década inteira.

Dez quilos mais magro do que o som anterior do Alter Bridge, o Cult chegou sem odores de naftalina. O vocal de Astbury está no mesmo lugar de sempre, mas o som que esses caras fizeram na década mais datada do rocķ tinha algo de eterno.

Os riffs de muitas cordas tocadas juntas criados por Duffy são talvez mais marcantes do que o próprio vocal de metal de Astbury, mas a Cult é uma banda que poderia ter nascido ontem que estaria tudo certo.

Eles chegaram com força, colocando tudo no chão com Wild Flower. Quando fizeram Rain, Duffy homenageou Pete Townshend com o movimento que o guitarrista do Who criou em 60, mas ninguém entendeu.

Dark Energy, Sweet Soul Sister, Peace Dog, Birds of Paradise, Phoenix, She Sells Sanctuary, Fire Woman, King Contrary Man, Love Removal Machine. Estava tudo lá, com a generosidade de uma banda que não oxidou com o tempo.

Tudo o que sabemos sobre:
The Cult

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.