Phil Noble
Phil Noble

The Cavern Club, lendário palco dos Beatles, pode fechar por causa do coronavírus

Bar em Liverpool, na Inglaterra, onde os Beatles começaram a carreira, perdeu cerca de 30 mil libras por semana durante a pandemia

Redação, EFE

18 de agosto de 2020 | 09h44

Os proprietários do Cavern Club, marca conhecida por ter abrigado os Beatles no começo da carreira, estão lutando para que o estabelecimento não feche as portas por causa da crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus. Apesar de levar o mesmo nome, o lugar original foi demolido em 1973 depois de também enfrentar uma grave crise. Um novo espaço com a autorização de usar o mesmo nome foi erguido em 1984, 15 metros adiante do anterior usando até mesmo alguns tijolos do original. Paul McCartney tocou lá em 1999. 

A marca Cavern teve os Beatles como atyração tocarem em 1961, e depois vieram Rolling Stones, Stevie Wonder, David Bowie e Adele, entre outros, também tocaram lá. Quando o Reino Unido tomou medidas para impedir a transmissão do coronavírus no final de março, o novo Cavern começou a perder cerca de 30 mil libras (R$ 216 mil) por semana, disse Bill Heckie, um dos diretores da casa, à rede de televisão BBC.

"Levou cinco meses, até que tivemos que demitir, infelizmente, cerca de 20 pessoas. Pensamos que talvez tenhamos que despedir outras 20 nas próximas semanas", advertiu.

"Há alguns anos, tomamos a decisão de manter a maior reserva possível no banco em caso de dias de chuva, e não percebemos que uma tempestade estava chegando. Portanto, tínhamos 1,4 milhão de libras no banco (R$ 10,1 milhões), e temos a metade", acrescentou Heckie.

Os shows de música em lugares fechados foram proibidos no Reino Unido até o último sábado, 14. Para funcionarem, agora os estabelecimentos devem cumprir medidas de segurança e distanciamento social, reduzindo sua capacidade e potencial de receitas.

O diretor do Cavern enfatizou que a casa precisará de verbas públicas para sobreviver. "Não quero que eles paguem para que tenhamos lucro, mas pelo menos para garantir que não percamos dinheiro", disse.

O prefeito de Liverpool, Joe Anderson, afirmou que "a perspectiva de perder uma joia nacional como o Cavern é um cenário horrível". "O Conselho Municipal de Liverpool está fazendo tudo o que pode para ajudar nossa população local, mas não podemos chegar a todos os lugares por causa da pressão a que estamos submetidos, ajudando os mais vulneráveis em nossas comunidades", acrescentou. Um porta-voz do conselho disse à BBC que o Cavern deveria tentar financiamento estatal por meio de um fundo de recuperação da indústria cultural.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.