The Cardigans e Gang of Four agitam o Campari Rock

Gang of Four. Tiozinhos que deram régua e compasso para bandas como Bloc Party, Rapture, Franz Ferdinand, Fugazzi, Futureheads, Radio 4 e Hot Hot Heat.The Cardigans. Loirinha sueca que estudava artes, gostava de Depeche Mode e nunca tinha cantado nada, até que colegas músicos resolveram entronizá-la como diva de uma banda de pop rock. Eles estão na cidade e tocam nesta quarta-feira no Campari Rock Tour, primeira grande jornada de rock de um ano pródigo em jornadas de rock.O Gang of Four é politicamente abrasivo e desafiou o maistream musical com seu estilo parabólico. Misturando punk com dub, funk e reggae, e fazendo referência a Sartre, Godard, às lutas de emancipação feminina, eles criaram um mito em seus seis anos iniciais de existência. Seu disco de estréia, o single "Damaged Goods", de 1978, é considerado um marco pelo que trazia de ousadia política, realismo social e "ansiedade sexual", como definiu a BBC.Seu primeiro show, em 1978, foi num lugar chamado The Pagoda Club - dividiam a noite com uma stripper. Eles, que não sabiam do lance, demonstraram sua desaprovação ao negócio. Fizeram até a moça peladona ficar meio constrangida, e aí ela disse: "Sabe, ambos estamos no negócio do entretenimento, e temos de dar à platéia o que ela quer. Não gosto de fazer isso, mas ganho aqui o dobro do que ganharia num trabalho das oito às seis."Curioso início para uma banda com seu nível de consciência política e social. O discurso da stripper cai como uma luva para uns 90% do pessoal do rock, mas não para o Gang of Four. Eles mudaram o jeito de se fazer rock, não só enquanto estiveram no palco (entre 1978 e 1984), mas também com suas experiências paralelas: o guitarrista Andy Gill, por exemplo, produziu o primeiro disco do Red Hot Chili Peppers, e todos sabemos que aquele tipo de funk-o-metal produziu centenas de imitadores.Em 1995, foi reeditado o primeiro álbum do Gang of Four, "Entertainment!" Nas notas do disco, o baixista Flea fez uma referência sarcástica a The Edge, do U2. "Dou muita risada quando ouço aquele cara do U2 dizer que suas influências na guitarra vêm de velhos bluesmen. Hey, seu babaca, que tal Andy Gill?"O nome Gang of Four, por exemplo, já revelava muito de seu desapego às normas: foi tirado de um grupo da política chinesa comunista associado à viúva de Mao Tsé-tung. Em entrevista ao Estado, recentemente, Andy Gill falou sobre a legião de bandas que confessa influência do Gang of Four, seus filhotes."Acho que, de todos, gosto muito do Bloc Party, acho que eles têm uma pegada muito forte e uma performance de palco interessante, cheia de energia", afirmou. Sobre suas tendências marxistas, disse o seguinte: "Nós simpatizamos com o socialismo. Não se trata de fazer canções socialistas. Repartimos um senso comum sobre os problemas do mundo, mas a música não tem pretensão de oferecer a solução para isso."CardigansMisturando pop songs temperadas com ironia e melancolia, os Cardigans mantêm uma carreira incrivelmente sólida e longa no mundo da música, quase 15 anos. As canções, passadas pela garganta da vocalista Nina Persson, podem cutucar feridas, assim como também podem trazer alívio ou oferecer um contraceptivo aos dramas pessoais, o sarcasmo.Nina Persson, dos Cardigans, disse ao Estado o seguinte sobre o métier que escolheu: "O pop, assim como o rock, tem a mesma preocupação na base, que é comunicar uma idéia, e escolher a forma de fazer isso. É a base de toda a arte, embora isso não seja garantia de que seja boa arte, assim como o pop não é sempre um bom pop."Na seção "Pergunte à Banda", no site dos Cardigans, um brasileiro chamado Anselmo pergunta o que os suecos pretendem fazer por aqui (além do show, é claro). Magnus Sveningsson, o guitarrista, responde que vão chegar cansados, pretendem dormir, etc. e tal, mas aí dá uma dica: "Eu li que há aí uma rua com umas 50 lojas de guitarras. Talvez seja algo para dar uma conferida?".Teodoro Sampaio, aí vamos nós. Campari Rock. Via Funchal (6 mil lug.) Rua Funchal, 65, 3089-6999 ou 3897-4456. Hoje, 22 h. R$ 100 a R$ 180

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.