Divulgação
Divulgação

Tetê Espíndola une passado e presente

Cantora lança CD duplo e shows com convidados

Renato Vieira, O Estado de S. Paulo

18 de março de 2014 | 20h08

A cantora é a mesma. Mas a voz de soprano ganhou um registro de contralto lapidar com o passar do tempo. E é justamente o eixo entre passado e presente que dá o tom dos shows que Tetê Espíndola faz no Sesc Vila Mariana, nos quais lança o CD duplo que engloba Pássaros na Garganta (1982) e o inédito Asas do Etéreo. Instrumentistas que participaram de seu novo projeto estarão com ela no palco.

Os dois discos guardam semelhanças no repertório e nos arranjos. Em ambos, Tetê dá maior vazão à sua porção autoral. Das 13 faixas de Pássaros, sete são dela, e Asas só tem composições de sua lavra. A junção de ambos no mesmo pacote e nos shows é uma ponte entre a descoberta de um caminho e de sua solidificação. "Os tempos são diferentes, mas vejo os dois discos como primos. Eles mostram o amor à natureza, à espiritualidade e à própria música. É como uma ligação entre dois pontos de maturidade", afirma a cantora.

Pássaros na Garganta foi definidor para a cantora, que vai ao limite de sua extensão vocal, aprofundando-se nas letras que versam sobre rios e paisagens com instrumentação econômica e incorporando sons da natureza. "Todos os meus trabalhos brotam da simples vontade de fazer. O contrato que eu tinha com uma multinacional havia acabado e eu decidi mergulhar dentro desse universo natural. Eu tenho uma relação de alma com esse mundo e o disco é reconhecido por isso", diz Tetê, que também ressalta como fundamental para o disco o toque de sua craviola, instrumento lhe acompanha pela vida afora.

Asas partiu da iniciativa de reencontrar amigos e agregar pessoas que Tetê admira. Arrigo Barnabé e o pianista Felix Wagner, que participaram de Pássaros, estão no novo projeto, que começou a ser registrado em 2012. A distância entre o início das gravações e o lançamento se deu por conta do encaixe de agenda de todos os convidados. A cantora conta que o título do álbum, além de ser uma referência explícita ao "primo", denota o sentimento de reunião de todos os músicos. "Foi difícil escolher um nome. Quando vi que as pessoas abraçaram o disco, achei que a palavra etéreo tinha tudo a ver."

A presença dos convidados foi decisiva para a montagem do roteiro dos shows. Participam da apresentação de hoje Arrigo, Egberto Gismonti, Jaques Morelenbaum, Teco Cardoso, Dani Black, Trio Croa e Felix, que amanhã volta a atuar com Hermeto Pascoal, Duofel, Bocato, Marcelo Pretto, Paulo Lepetit e Adriano Magoo.

Não há concessões. O sucesso Escrito nas Estrelas, carro-chefe de Tetê, ficou de fora. "Sei que as pessoas me conhecem por conta dos festivais que participei, mas quero mostrar algo diferente. O público entende isso. E ter todos esses convidados junto comigo é bom porque eu posso lembrar de bons momentos e retomá-los", explica. Um dos exemplos de recriação, diz a cantora, é a lembrança de Londrina, música de Arrigo que ela cantou em um festival da TV Globo, em 1981. "Vai ser especial porque vamos recordar o momento em que a música foi criada, com o mesmo sentimento e no tom original."

Se depender de Tetê, outros reencontros podem acontecer em 2014. Ela pretende fazer apresentações para celebrar os 35 anos do álbum Tetê e o Lírio Selvagem, com o qual estreou em disco, junto com os irmãos Alzira, Celito e Geraldo. Antes da gravação, eles se apresentavam com o nome LuzAzul, deixado de lado a pedido da gravadora. "Gostaria muito de reviver esse momento. Foi um trabalho que não foi tão compreendido na época, mas agora seria a hora de estarmos juntos de novo. Espero que alguém tope bancar esse reencontro." Então, quem vai acender a luz verde?

TETÊ ESPÍNDOLA E CONVIDADOS

Sesc Vila Mariana. R. Pelotas, 141, Vila Mariana, tel. 5080-3000. 4ª e 5ª, 21 h. R$ 6,40/ R$ 32.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.