AP
AP

Termina investigação sobre a morte de Michael Jackson

Médico particular do Rei do Pop, Conrad Murray, deverá ser acusado de homicídio culposo

AP,

08 de janeiro de 2010 | 18h28

A investigação sobre a morte do rei do pop Michael Jackson conduzida pela Polícia de Los Angeles já terminou, segundo o site TMZ, o primeiro a noticiar a morte do rei do pop. As conclusões foram estabelecidas no final do mês de dezembro e serão apresentadas dentro de algumas semanas ao promotor do caso. Ainda conforme o TMZ, o médico Conrad Murray deverá ser acusado de homicídio culposo, quando não há intenção de matar, pela morte do cantor.

 

Veja também:

som Território Eldorado: ouça todas as fases do astro

 

Já segundo a Associated Press, Conrad Murray deverá ser acusado também de negligência grave, considerando o tratamento dado ao cantor muito extremo comparado às condutas normais.

 

Uma fonte não identificada disse ao site de celebridades TMZ que a investigação da polícia foi 'exaustiva' e complicada, pois o médico não violou nenhuma lei ao administrar o anestésico propofol a Michael Jackson.

 

A AP ouviu Miranda Sevcik, porta-voz de Murray em Houston e seu advogado, Edward Chernoff, e ambos disseram que o médico não comentaria as conclusões do inquérito e reiteraram que ele nem prescreveu nem administrou nada que pudesse ter matado Michael Jackson.

 

O Rei do Pop morreu em sua casa em Los Angeles em junho passado, onde se encontrava sob os cuidados de Murray enquanto se preparava para uma ambiciosa turnê.

 

A promotoria de Los Angeles espera que a Polícia de Los Angeles termine de revisar o caso antes de apresentá-lo a um grande júri.

 

Para provar a acusação de homicídio involuntário, as autoridades devem demonstrar que houve uma ação imprudente e temerária que envolvia um risco de morte ou de um grande dano corporal. Entre os medicamentos encontrados na casa de Jackson estava o propofol e as várias autópsias concluíram que o cantor morreu por uma intoxicação proveniente desta droga. Supõe-se que somente anestesistas profissionais possam aplicar o propofol.

Tudo o que sabemos sobre:
Michael Jackson

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.