Terceira jurada muda de opinião sobre caso Jackson

Uma jurada, que inicialmente se inclinava a dar o veredicto de culpado ao astro pop Michael Jackson, disse que se bem considerava que o cantor costumava abusar de menores, não poderia fazer outra coisa a não ser exonerá-lo, já que teve dúvidas sobre sua culpa no caso.Em entrevista concedida na terça a uma rede de TV a cabo, a jurada Katarina Carls disse que pensava como os outros membros do grupo, Eleanor Cook e Ray Hultman, em considerar o cantor culpado, mas decidiu declará-lo inocente, após receber as instruções, segundo as quais todo acusado deve ser absolvido se há dúvidas razoáveis sobre sua culpa.Katalina disse que era possível que o acusador de Jackson tivesse mentido. "Eu me perguntava: será que há a menor possibilidade deste menino estar mentindo? E minha resposta foi afirmativa", disse.Eleanor e Katalina disseram na segunda, ao começarem a aparecer contratos para escreverem livros sobre o julgamento, que acreditam que Jackson abusou efetivamente do acusador de 15 anos e agora deploram tê-lo declarado inocente no veredicto dado em junho.Mas afirmaram, na mesma cadeia de televisão, que apegaram à opinião de outros membros do grupo, porque o presidente dos jurados os ameaçou de destituí-los se não mudassem de atitude. As mudanças de opinião de Eleanor e Katalina não têm agora efeito algum sobre o veredicto, que não pode sofrer apelação.No dia seguinte do encerramento do caso, o jurado Raymond Hultman disse à imprensa que ele e outros três membros do grupo não acreditavam na inocência de Jackson no início dos trabalhos, mas depois foram convencidos pela maioria de que as provas apresentadas pela promotoria não eram suficientes para declarar Jackson culpado (Leia mais sobre sua entrevista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.