Terceira edição agrada a todos os tipos de público

Com preço único de R$ 35,00 (cada noite), a terceira edição do Rock in Rio traz algumas vitórias raras no show business nacional. Os organizadores conseguiram, entre outros feitos, fechar com a banda de um ermitão (Axl Rose, há 10 anos afastado da cena), com uma lenda do rock (Neil Young) e com um desmancha-prazeres reincidente (Beck).O elenco internacional oferece um cardápio que atinge gregos e baianos, passando pelos grupos adolescentes (Five, ´N Sync e Britney Spears) e desembocando nos dinossauros históricos (Iron Maiden e James Taylor).Mas o festival também está marcado pelo signo da discórdia - pelo menos em relação ao seu elenco nacional. Cinco das bandas populares do rock nacional escaladas para o festival - Raimundos Skank, Jota Quest, Cidade Negra e Charlie Brown Jr. - cancelaram suas apresentações no evento, alegando disparidade em relação às condições técnicas oferecidas aos grupos internacionais.Na verdade, a debandada começou com o Rappa, que não concordava em tocar às 18 horas, ainda com sol. Nos festivais europeus, grupos como Beastie Boys e Joe Strummer & Los Mescaleros tocam às 17 horas, e não vêem problema nisso. Mas a posição política dos grupos brasileiros é interessante, porque é histórico o desprezo que sofrem em festivais internacionais. Houve até um Hollywood Rock em que a cantora Whitney Houston, hoje desaparecida, exigiu que o equipamento de Jorge Benjor fosse desligado para que ela não atrasasse sua entrada.Por outro lado, numa análise fria, o público não perde grande coisa. Os grupos dissidentes formam entre os mais comerciais da atualidade, sofrem de superexposição na mídia e tocam incessantemente nas capitais brasileiras. Sobra mais espaço para o sangue novo que vem do festival classificatório Escalada do Rock.Na terça-feira passada, saiu uma lista com as quatro primeiras bandas iniciantes classificadas. Seis bandas disputaram, no Rock in Rio Café (Barra da Tijuca, Rio), quatro vagas no evento. As classificadas foram a Habagaceira, de Recife; Sem Destino, de Brasília; Diesel, de Belo Horizonte; e Brau, do Rio de Janeiro. Na terça-feira tem a segunda semifinal para tirar outras quatro bandas para o festival.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.