Tenor é vaiado e abandona ópera no La Scala de Milão

O famoso cantor de ópera Roberto Alagna, conhecido como o "quarto tenor", abandonou o palco do teatro La Scala de Milão depois de ser vaiado no meio de uma performance, e teve de ser substituído por um outro tenor que não tinha nem o figurino adequado para o espetáculo. O episódio provocou críticas."Houve uma óbvia falta de respeito para com o público e para com o teatro", disse o diretor artístico do La Scala, Stephane Lissner, numa nota divulgada nesta segunda-feira, em que qualificou o incidente de lamentável.O francês Alagna, considerado por alguns críticos como o novo Pavarotti, estava representando o papel principal da celebrada produção da Aída, de Verdi, montada por Franco Zeffirelli, que estreou na quinta-feira, abrindo a nova temporada do La Scala.Minutos depois do início da segunda apresentação do espetáculo, na noite de domingo, um pequeno setor do público começou a vaiar Alagna, que tinha acabado de cantar uma ária. A vaia aparentemente foi uma retaliação às declarações de Alagna sobre como o público do La Scala é exigente.O tenor, de 43 anos, que já estava irritado com algumas críticas de seu desempenho na noite de abertura, levantou o punho para a platéia e saiu do palco, deixando a meio-soprano Ildiko Komlosi sozinha no palco, para "cantar um dueto sozinha".Arena de touradasDepois de alguns instantes de indecisão, com pessoas da platéia gritando "Que vergonha!", o substituto Antonello Palombi subiu ao palco, de jeans e camiseta preta, já que não tinha a roupa específica do figurino. "Eles literalmente me pegaram e me jogaram no palco", disse Palombi à agência de notícias Ansa.O espetáculo foi aplaudido por nove minutos quando terminou. "Foi um bom teste, e eu passei."Alagna já tinha dito numa entrevista depois da estréia da ópera que pretendia cancelar espetáculos futuros no La Scala, onde a platéia - que paga até 2 mil euros por um ingresso - pode ser bem difícil de agradar.Ele disse que se apresentar no La Scala é como entrar numa arena de touradas, e que sua mulher, a soprano Angela Gheorghiu, também estava pensando em cancelar sua aparição em La Traviata, no ano que vem."Já cantei no mundo todo e obtive sucesso em todos os lugares, mas o público esta noite foi surreal", disse o tenor, na noite de domingo.Os organizadores pediram desculpas ao público e o maestro Riccardo Chailly disse que nunca, em sua longa carreira no La Scala, tinha visto um cantor sair no meio de uma apresentação.É famosa uma vaia que o tenor Luciano Pavarotti levou no teatro por não alcançar uma nota aguda em 1992, mas ele permaneceu no palco e mais tarde disse que o público teve razão em criticá-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.