Teatro Fecap tem tecnologia de estúdio de gravação

O lugar onde funcionava o antigoauditório da Fecap passa a abrigar um teatro com infra-estruturade última geração. Após uma série de reformas, o Teatro Fecap -com capacidade para 400 pessoas e projeto assinado peloarquiteto J.C. Serroni - pode ser considerado até um estúdio degravação. Tem acústica, equipamentos e vocação para isso. Além, claro, de cumprir sua função primordial que é a deservir de palco para temporadas de shows. Para a estréia daprogramação, foi escolhida uma figura simbólica: Paulinho daViola.Paulinho abrirá caminho para outros artistas, que talvez nãodesfrutem da mesma fama dele, mas com qualidade equivalente,garantem os organizadores. "A proposta é apoiar artistas que não têm talpopularidade", diz o superintendente da Fecap, Marcelo Camargo."Vamos oferecer a esses artistas a gravação de seus espetáculos,para que eles possam divulgá-los. Mais para frente, queremostrazer também os independentes", completa o idealizador doprojeto, Horácio Berlinck Neto, que é presidente do Conselho deCuradores da Fecap. A partir do dia 12 de outubro Mônica Salmasoe Toninho Ferragutti serão atrações do espaço e, juntos,apresentam canções de Tom Jobim, Chico Buarque, Wisnik, entreoutros. O projeto, no entanto, não se limita ao teatro. Como aidéia é de que o local seja um centro de referência e memória damúsica brasileira, outros serviços estarão disponíveis. Entreeles, um centro permanente de exposições, com imagens,caricaturas, desenhos. Na abertura os convidados poderãoconferir a mostra fotográfica de Walter Firmo, com imagensclássicas de seu acervo. Outro atrativo do projeto é o curso de gestão de showbusiness. O objetivo é passar aos alunos conhecimentos na áreafiscal, financeira, contábil, marketing, captação de recursosjunto a patrocinadores, planejamento, entre outros aspectos."São coisas fundamentais para colocar de pé um espetáculo",atesta Berlinck. De sua biblioteca, a Fecap disponibilizará um pequenoacervo de obras na área de música, além de ajudar ospesquisadores a localizar materiais, informações e bibliografiaem outras instituições. No site da Fecap tem-se acessoa uma rádio digital, dedicada à MPB. Pretende-se queespecialistas em diferentes vertentes da música se revezem nafeitura dessa programação. "Isso tudo nasceu da nossanecessidade, como centro universitário, de criar um projeto deextensão", explica Camargo. "Decidimos que seria na áreacultural e, dentro dela, está a música brasileira."

Agencia Estado,

12 de setembro de 2006 | 19h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.