Amy Harris/Invision/AP
Amy Harris/Invision/AP

Taylor Hawkins usou maconha e antidepressivos antes de morrer, indica exame toxicológico

Autoridades colombianas divulgaram detalhes sobre a investigação sobre morte de baterista do Foo Fighters

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2022 | 20h03

A procuradoria da Colômbia encontrou vestígios de maconha, opioides e antidepressivos no corpo do baterista do Foo Fighters, Taylor Hawkins, que morreu aos 50 anos na noite de sexta-feira, 25, na cidade de Bogotá. 

"Na prova toxicológica de urina feita no corpo de Taylor Hawkins foram preliminarmente encontrados 10 tipos de substâncias, entre elas THC (maconha), antidepressivos tricíclicos, benzodiacepinas e opioides", indicou o órgão de investigação em um comunicado divulgado à AFP neste sábado, 26, no qual não deixa claro se foram essas substâncias que levaram à morte do músico.

Mais cedo neste sábado, a Secretaria Distrital de Saúde de Bogotá divulgou um comunicado à imprensa sobre o fato, informando que o centro de emergências da cidade recebeu um relato de um "paciente com dor no peito" em um hotel ao norte da cidade, e enviou uma equipe ao local.

Chegando lá, ele já havia sido atendido por um profissional de saúde, que tinha feito o atendimento de emergência, incluindo tentativas de reanimação, sem resposta, o que fez com que Hawkins fosse declarado como morto. Ainda de acordo com a nota, os procedimentos com o corpo foram providenciados, e as investigações cabíveis neste tipo de caso estão sendo feitas.

Nas redes sociais, a banda se pronunciou: "A família Foo Fighters está devastada pela trágica e prematura perda de nosso amado Taylor Hawkins. Seu espírito musical e riso contagiante vão viver conosco para sempre. Nossos corações vão a sua mulher, filhos e família, e pedimos que sua privacidade seja tratada com o máximo de respeito nesse tempo de dificuldade inimaginável".

Festival Estéreo Picnic, onde a banda se apresentaria em Bogotá, anunciou o cancelamento do show, que aconteceria na noite desta sexta-feira, 25, minutos antes da apresentação, justificando como "uma situação médica de muita gravidade". 

Trajetória

Taylor Hawkins começou a ganhar mais oportunidades já com 20 e poucos anos, na década de 1990, quando tocou bateria na banda que acompanhava Sass Jordan e, posteriormente, na que acompanhava Alanis Morissette, à época do sucesso do disco Jagged Little Pill. Em 1996, quando Alanis fez sua primeira passagem pelo Brasil, gravou uma cena especial para o seriado Malhação. Nela, é possível se deparar com um jovem Hawkins usando óculos escuros e tocando bongô.

Em 1997, passou a fazer parte do Foo Fighters, substituindo William Goldsmith, que, após ter sido o baterista da banda em seus dois primeiros anos, se desentendeu com os colegas. A primeira gravação da qual Taylor Hawkins fez parte com o grupo surgiu no disco com a trilha sonora do filme Godzilla, na faixa com espírito de rock progressivo A320.

Durante as gravações do álbum There Is Nothing Left to Lose, em 1999, o primeiro com a sua participação e marcado pelo single Learn To Fly, consta que o grupo passou quase quatro meses dedicado inteiramente à gravação das músicas, em um estúdio no porão da casa de Dave Grohl. Àquele ano, em entrevista à Folha de S. Paulo, Taylor revelou que a experiência não lhe foi das melhores.

"Foi diferente, legal, mas para mim, particularmente, teve um componente de paranoia, também. Fiquei tão ansioso para ver o disco pronto que não conseguia dormir mais. O Dave chegou a me dizer: 'Sua parte está acabada, você pode ir para casa. Quando o disco estiver pronto, mixado, nos reunimos de novo'. Mas eu não fui. Fiquei lá com ele até o fim. Mas aí, quando acabou, comecei a não dormir. Entrei em crise. Sei lá, fiquei parecido com o personagem do Edward Norton em Clube da Luta. Estava igualzinho ao Norton".

"Quase enlouqueci, mesmo, quando vi o filme. Minha namorada me levou até em terapia. Cheguei a tentar hipnose", continuava. Já era um indício de que o baterista não estava bem de saúde. 

O músico voltaria ao Brasil em 2001, para um memorável show do Foo Fighters no Rock In Rio daquele ano. Taylor foi visto diversas vezes no trajeto entre seu quarto e a piscina do hotel em que estava hospedado. Paciente, tirava foto com praticamente todas as fãs que lhe abordavam.

Alguns meses depois, em agosto, porém, Hawkins foi internado por conta do abuso de heroína após um show no festival de Chelmsford, na Inglaterra, o que fez com que o grupo cancelasse diversos shows. Passou alguns dias em coma e, na mesma época em que Dave Grohl passou a tocar junto ao Queens of the Stone Age. Anos depois, o baterista revelou que pensou que poderia ser o fim do Foo Fighters. Mas ainda tinha muito por vir, incluindo alguns dos principais sucessos do grupo, como Times Like These (2003), Best of You (2005), DOA (2005), The Pretender (2007) e Something From Nothing (2014)

Nos shows, ajudava a contagiar o público, muitas vezes já em alto astral pela presença de Grohl, com sua energia e caras e bocas. Além da bateria e de outros instrumentos, Taylor Hawkins também cantava. Entre outras músicas com o Foo Fighters, ficou marcado pelo vocal do cover de Have a Cigar, do Pink Floyd. 

Além do Foo Fighters, tocou em projetos paralelos como Taylor Hawkins and the Coattail Riders, criado em 2004, com álbuns lançados em 2006, 2010 e 2019, e The Birds of Satan, surgido em 2014. Em 2015, uma passagem inusitada em sua trajetória, como ator. Fez o papel de Iggy Pop no filme CBGB: O Berço do Punk Rock.

Ao lado do baixista Chris Chaney e do guitarrista Dave Navarro, conhecidos pelo trabalho no grupo Jane's Addiction, formou também o NHC. Fora todas as afiliações, também teve carreira solo, com o álbum Kota, de seis músicas, lançado em novembro de 2016. 

O baterista deixa a mulher, Alison Hawkins, com quem era casado desde 2005, e três filhos: Shane, Annabelle e Everleigh.

*Com informações da agência AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Foo FightersTaylor Hawkins

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.