Tania Maria faz show imperdível em São Paulo

Na estréia do ótimo show que volta nesta quinta-feira, 29, ao Teatro Fecap, a pianista e cantora Tania Maria, a certa altura, saudou o público fazendo alusão à Liberdade, bairro onde se situa o teatro. "Essa palavra pela qual a gente corre tanto atrás", como ela disse, também diz muito sobre o modo de Tania se expressar pela música. Absolutamente à vontade entre suas teclas e o microfone, ela divide com o sensacional percussionista Edmundo Carneiro os méritos de seu bem-sucedido projeto. Não é sempre que se vê uma combinação tão acertada desses instrumentos - tambores, pratos e piano - unidos e dialogando pela aptidão percussiva. E com o contraponto da voz segura e calorosa da cantora. Mostrando todo aquele suingue que fez sua fama no exterior (e o que o Brasil só tem a perder por não dar a devida atenção), Tania sozinha já é uma atração sem paralelo. Carneiro, por sua vez, exerce sua função de homem-banda, cheio de sutilezas. Não precisa apelar para as tentações da "quebradeira" para provar que não é mero coadjuvante em cena. É prazeroso acompanhá-lo nas transições de ritmos, como do samba para o funk, no humor que extrai de suas baquetas-vassourinhas e nas citações, plenamente adequado à fluência interpretativa de Tania. Há um bloco em que a maranhense (radicada no exterior desde os anos 70) canta para lembrar de seu país, citando letras de despedida como Prenda Minha e Menino de Braçanã. Surpreende com uma inusitada versão do bolero Besame Mucho. Balança irresistível em levadas de samba-jazz; viaja por belas harmonias em canções amorosas; embala nas palmas da platéia no compasso do funk, enquanto ela e Carneiro partem para outras direções; duela com o tamborim dele em Funky Tamborim, clássico impreterível; canta Valeu a pedidos e até faz concessão gentil com Trem das Onze (Adoniran Barbosa). É pouco? Pois tem muito mais. E neste sábado e domingo ela ganha o reforço de seu admirador e já um parceiro Ed Motta. Tania Maria. Teatro Fecap (400 lug.). Av. Liberdade, 532, (11) 3272-2277. 5.ª a sáb., 21 h; dom., 19 h. R$ 10 (5.ª) e R$ 30. Até 1.º/4

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.