Boris HORVAT / AFP
Boris HORVAT / AFP

'Talk is Cheap', álbum de Keith Richards, ganhará novo lançamento

O primeiro disco solo do integrante dos Rolling Stones é considerado o responsável por amenizar desentendimentos com Mick Jagger

Redação, com informações da AFP

27 de março de 2019 | 14h44

O primeiro álbum solo de Keith RichardsTalk is Cheap (1998), foi reeditado e ganhará novo lançamento na próxima sexta-feira, 29. O disco é tido como aquilo que permitiu o retorno dos Rolling Stones, após um período de desentendimentos entre Richards e Mick Jagger, que produziu álbuns sozinho antes do colega. 

Os anos 80 foram os mais dolorosos para os fãs dos Stones, apesar de um começo satisfatório com Emotional Rescue (1980) e Tattoo You (1981). Os álbuns seguintes, Undercover (1983) e especialmente Dirty Work (1986), foram amargos fracassos, no cenário de fortes tensões entre Jagger e Richards. 

"Desde o início eram como cão e gato. Como pode acontecer entre irmãos. Mas o problema remonta a 1979, quando Keith deixou a heroína. Ele queria colocar as mãos nos negócios do grupo, pensando aliviar Mick, que tinha tido muito trabalho para fazer os Stones durarem e que, portanto, recebeu mal esta nova situação", conta David Tillier, presidente do fã clube francês Sympathy for the Devils.

"Acima de tudo, Mick tinha outras pretensões... Em 1983, quando os Stones renovavam seu contrato com a CBS, ele assinou ao mesmo tempo e em segredo um outro contrato para três álbuns solo. Keith entendeu isso como uma traição", acrescenta.

"Naquela época, os dois eram muito diferentes. Mick frequentava a alta sociedade, Keith era leal a seus velhos amigos. E eles não se aguentavam mais, ao ponto de Jagger não querer mais ouvir sobre os Stones. Ele queria se tornar a maior estrela de rock do mundo", afirma o jornalista Sacha Reins.

Mas seus dois álbuns solo, She's the Boss (1985) e Primitive Cool (1987), não permitiram que alcançasse tal status. "Não foram bem recebidos, uma vez que lhe faltava uma coisa: o som dos Stones. Que sai da guitarra de Keith", analisa Reins. Jagger, ainda, queria fazer as pessoas dançarem. "Ele acreditava no disco, sonhava com o sucesso a la David Bowie, Elton John, Rod Stewart... Mas os fãs dos Stones não se veem nesse universo", completa Tillier.

Enquanto isso, Keith Richards estava impaciente. "Os Stones não faziam shows desde 1982. Ele esperava uma nova turnê para 1987. mas o problema era que Mick preferia estar sozinho", lembra o jornalista de rock Christian Eudeline. "Keith estava furioso. Ele atacava Mick sempre que podia, tratando-o de 'disco-boy' e dizendo que ele deveria cantar para o Aerosmith, um insulto supremo quando sabemos que este grupo foi considerado uma cópia dos Stones", acrescenta.

"O álbum registrou vendas moderadas, apesar das críticas relativamente clementes que fizeram Mick compreender que Keith gozava de uma popularidade que ele já não tinha. Apesar das falhas, a brutalidade primitiva que caracteriza Richards agradava mais do que a sofisticação de Jagger", diz o jornalista Sacha Reins. 

"No final, foi Mick quem retomou o diálogo em 1989", conta David Tillier, presidente do fã clube francês Sympathy for the Devils. "Keith nunca teria dado este passo, para ele os Stones tinham acabado". Eles não demoraram para religar a máquina, com o álbum Steel Wheels, gravado em três meses. Ainda fizeram uma turnê de 115 shows.

Uma música do álbum, You Don't Move Me, é dirigida a Mick: "Você fez a escolha errada/Você bebeu a poção errada/Você perdeu o norte/Você não é mais tão atraente/Por que Você acha que não tem mais amigos?/Você os deixou loucos/Você não me emociona mais".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.