T. Kaçula promove roda de samba no Cantinho do Peruche

Segunda-feira é dia de muito trabalho e preguiça depois de um final de semana animado, certo? Mas não se desanime, esta segunda também é dia de sambar com alguns dos maiores bambas até tarde da noite. A partir das 19 horas, no Cantinho do Peruche, na escola de samba Unidos do Peruche, na Casa Verde, zona norte da Capital, uma roda de samba de raiz da melhor qualidade vai homenagear os maiores nomes paulistanos do mais brasileiro dos ritmos.O evento é promovido pelo sambista, produtor cultural, pesquisador e entusiasta do samba paulistano T. Kaçula. ?Vamos reunir amigos e sambistas das antigas para homenagear a rica história que o ritmo tem em São Paulo?, diz Kaçula, que também prepara uma caixa com 12 CDs com o repertório de antigos bambas. O lançamento está previsto para o ano que vem.Para o encontro desta segunda estão confirmadas as presenças das velhas-guardas de algumas das mais tradicionais escolas de samba da cidade, entre elas, a da Rosas de Ouro, Nenê de Vila Matilde e do próprio Peruche. Além disso, para repor as energias para dançar Kaçula prometeu preparar panelões com frango com quiabo e polenta. O problema vai ser remexer os esqueleto com a barriga cheia. A entrada e os pratos são gratuitos, apenas a bebida será cobrada e os lucros serão revertidos para auxiliar o carnaval da velha-guarda do Peruche. A idéia é que o evento se torne mensal. Hoje, a festa só deve terminar depois das 23h.?Nos últimos anos os sambistas paulistanos estão se organizando mais para valorizar a herança dos grandes compositores que passaram por aqui.?Rua do SambaT. Kaçula encabeça o Projeto Samba Autêntico, que também é um dos responsáveis por um evento que levou o balanço do samba para o centro da cidade.Há quatro anos, todo último sábado do mês, uma pequena multidão se reúne na rua General Osório, próximo à Luz, para ouvir interpretações de antigos sambas. ?Começamos em uma loja de instrumentos, mas o evento foi crescendo muito. Depois de dois anos nós tivemos que começar a fechar a rua para comportar todo mundo. Na festa do mês passado nós tivemos a presença de quase 2 mil pessoas?, diz Kaçula. A roda também já recebeu presenças famosas, como Beth Carvalho, Almir Guineto e Zeca Pagodinho.Além de tocar clássicos do repertório paulistano, os músicos intercalam as canções com histórias de grande compositores e intérpretes.Novidades do samba Nem só de tradição vive o samba feito em São Paulo. Na onda dos rapazes do Samba da Vela, que desde 2000 fazem uma roda com composições inéditas em Santo Amaro, outras rodas começaram a aparecer pela cidade. Entre elas está o Pagode do Cafofo, que há quatro anos acontece quinzenalmente no número 228 da rua Senembi, no Jardim Marília, na Zona Leste. ? Começamos em uma pequena garagem, que, brincávamos, parecia o cafofo do Osama Bin Laden?, lembra Wagner Valle, um dos membros do grupo. Ele se orgulha de terem mais de 50 sambas novos. ?Tocamos clássicos e também músicas novas do pessoal da comunidade. Nossa intenção é manter o samba vivo, diz Valle. O próximo encontro acontece no domingo (24) a partir das 16h30.Amigos do T.Kaçula. Cantinho do Peruche. Avenida Ordem e Progresso, 1061. Hoje, das 19h às 23h. Grátis. Pagode do Cafofo. Rua Senembi, 228. Domingo (24), 16h30.

Agencia Estado,

18 de setembro de 2006 | 13h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.