Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

SWU: frio, filas e rock marcam o 1º dia

Show da banda Rage Against The Machine teve que ser interrompido por tumulto

Jotabê Medeiros e Nicola Pamplona, O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2010 | 23h58

O show mais esperado do primeiro dia SWU Music and Arts Festival, em Itu (cerca de 100 km de São Paulo) teve de ser interrompido duas vezes: primeiro, o Rage Against the Machine teve de parar de tocar quando uma grade desabou na área premium; depois, um apagão no som provocou a ira dos espectadores que já estavam exaltados.

A queda da grade não deixou feridos graves, mas a banda disse que não tocaria enquanto não tivesse certeza que todos estavam seguros. Depois das interrupções, o show continuou às 23h.

Veja também:

blog Blog traz tudo o que acontece em Itu

video Trechos de shows

mais imagens Galeria de fotos do festival

documento Show do Rage tem tumulto e falha no som

Cerca de 50 mil pessoas, segundo estimativa dos organizadores, rumaram de todos os lugares do País para a Fazenda Maeda para assistir aos shows do primeiro dia do evento. A temperatura chegou a 16°C, com sensação térmica ao redor dos 10°C às 21h. O trânsito ficou complicado na entrada e a poeira castigou as gargantas dos fãs.

Tinha fila para tudo, da cerveja aos salgadinhos, mas um clima pacífico tomou conta das pastagens que hoje são o grande pátio do rock no Brasil. No início da noite, os esforços de sustentabilidade mostravam-se bem-sucedidos, com a pista limpa e a iluminação por energia solar dando conta da fazenda.

À tarde, chamou a atenção a apresentação do grupo de funk metal Infectious Grooves. Na mesma hora, no palco Oi, a cantora Mallu Magalhães sofria com microfonia. No palco Ar, no começo da noite, a banda carioca Los Hermanos fez um show muito mais empolgante que o último, em março do ano passado, quando eles abriram para o Radiohead em São Paulo.

O grupo Mutantes, liderado pelo guitarrista Sergio Dias Baptista, conseguiu também uma boa adesão da audiência. Após o lançamento internacional do disco Haih, a banda celebra uma nova "mutação" na longínqua carreira da banda, iniciada nos anos 1960 e de volta à ativa em 2006, sem Rita Lee. Em entrevista ao Estado antes de subir no palco, Sérgio disse que, desta vez, o grupo voltou a ser coeso. "Não existe mais diferenciação (entre os Mutantes e a banda de apoio), como existiu na volta em 2006. Agora, funciona tudo junto, todo mundo colabora."

Na nova formação, Sérgio se juntou a novos e velhos amigos. A cantora Bia Mendes é conhecida de 20 anos e participou de turnês com Rita Lee. "Quando os Mutantes voltaram, procurei trabalhar junto, ficar por perto", conta ela, que sobe ao palco do SWU com o pequeno Mário Eugênio na barriga. "É um novo Mutante que vem aí."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.