Renan Oliveira
Renan Oliveira

Suricato apresenta novo projeto com websérie, CD e show intimista

Carioca começa com um show inédito e intimista em São Paulo nesta quarta-feira, 8

Matheus Mans, Especial para o Estadão

07 de dezembro de 2021 | 15h00

Cantor, poeta, multi-instrumentista, produtor e compositor. Se já não bastasse os vários títulos profissionais, Rodrigo Suricato também é daqueles artistas prolíficos, que não gostam de parar. O carioca, que já foi eleito o melhor guitarrista do Brasil, lançou três discos desde o início da pandemia e, agora, está em um novo processo de redescoberta.

Para os próximos meses, Suricato está se preparando para lançar um projeto multimídia. Primeiramente, uma websérie. Depois, um disco autoral dividido em dois volumes em parceria com a cantora Carol Mathias. Por fim, ele começa a viajar pela noite para fazer o seu novo show, em um formato inédito e intimista, com tons de folk, rock, blues e pop.

O primeiro pontapé dessa apresentação acontece agora, nesta quarta-feira, 8, quando Suricato se apresenta no Blue Note, casa de shows na Avenida Paulista, em São Paulo. 

“É para matar a saudade dos meus amigos, nada tão formal", comenta o artista, quando questionado sobre o que espera para a apresentação. “Vai ser o meu primeiro show do meu trabalho, fora as lives. É o primeiro, pra ver se já começamos a turnê a partir de janeiro. É onde tudo se justifica. A coisa da live é muito legal, é uma solução. Mas é como se a gente tivesse almoçado um saco de pipoca. Fica sem fome, mas sente que não se alimentou”.

Conceitos e Nomes

Para esse novo projeto, Suricato o divide em partes. Primeiramente, a websérie é um projeto que volta a mostrar o cantor e compositor como um artista multimídia. A ideia, que deve ganhar vida já agora em dezembro, é desmistificar o trabalho do músico mostrando o seu processo criativo. Nada de glamourização ou idealização do trabalho além dos palcos.

“A ideia geral é que essa websérie revele os bastidores da profissão de um artista que está em pleno exercício da profissão. Poucos artistas falam sobre isso abertamente. Há uma espécie de medo, de receio de que o público perca parte do encantamento. Acho que sou o Zeca Pagodinho do folk”, diz. “Não gosto da mística artística. Gosto de falar disso”.

Em seguida, mais para março ou abril, Suricato também está trabalhando nesse novo disco em parceria com Carol Mathias. “A gente começou a ensaiar um disco novo, com muitas composições. Estamos com a definição de produtor”, conta Rodrigo ao Estadão, falando também da volta da Banda Suricato com três artistas mulheres na composição. “Eu nunca fui tão feliz na minha vida. Não sei o motivo de não ter colocado mulheres na banda antes. Quando tem só homens, vira um ‘clube do Bolinha’. A mulher é muito intuitiva, é muito carinhosa. Tá uma química muito grande, muito carinho entre todos nós. Estou feliz”.

Por fim, vale lembrar que, além desses projetos, Suricato também assumiu o posto de vocalista do Barão Vermelho. Como anda esse trabalho? “Continua bem forte. As pessoas acharam que, quando entrei no Barão, tinha deixado de lado esse meu outro trabalho. Nada disso”, diz. “Ano que vem a banda comemora 40 anos de existência. Estamos programando algo bem legal, para comemorar todas as vertentes e toda a história do Barão Vermelho”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.