Mario Anzuoni/Reuters
Mario Anzuoni/Reuters

Sucesso de Macklemore & Ryan Lewis vira polêmica no Twitter

Dupla foi comparada ao duo Milli Vanilli, dos anos 1980

Jotabê Medeiros, O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2014 | 00h01

A vitória acachapante de Macklemore & Ryan Lewis nos Grammy encheu as redes sociais de controvérsia e acendeu a fúria dos “haters”, que os compararam ao duo Milli Vanilli, dos anos 1980 (que simulavam cantar em discos, mas eram outros que o faziam). “Em seus primeiros 15 minutos no Grammy essa noite, Macklemore ganhou mais Grammys que Nas em toda sua carreira. Que vergonha...”, escreveu Jacob Berger no Twitter. “Que tal terem mais Grammys que Biggy e Pac juntos? Faz sentido”, desabafou Edelson23.

“Se Macklemore ganhar o melhor álbum de rap eu nunca mais vou ver os Grammy again até que Blue Ivy tenha 24 anos”, escreveu Lijah Jones. Blue Ivy é a filha de 2 anos de Beyoncé.

O rapper Macklemore (codinome de Ben Haggerty) e o produtor Ryan Lewis coroaram em 2014 um 2013 muito afortunado. A revista Source nomeou Macklemore o seu Homem do Ano; o duo esteve no topo da lista da Billboard no gênero rap e eles faturaram quase todos os prêmios-chave da música no ano, do MTV Video Music Award ao American Music Award. Já tinham superado Jay Z e Kanye West como melhor grupo nos BET Awards.

Surgido como um grupo independente de Seattle, onde o hip hop não é exatamente o gênero dominante, eles chegaram ao Grammy como favoritos, embora franco-atiradores, o que é um paradoxo em termos. O comitê de rap do Grammy não tinha nem mesmo certeza se podiam competir no gênero – assim como Drake, eles atuam numa zona de confluências musicais que muitos preferem definir como pop.

Sua canção Thrift Shop os credenciou: além de encabeçar as paradas de rap, é também um das canções pop mais vendidas, cerca de 7,3 milhões de unidades. Alcançaram grande popularidade em tempo muito curto, mas estão em atividade desde 2009.

Mais conteúdo sobre:
Grammy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.