Stones protestam contra uso político de sua canção

Uma polêmica confronta os Rolling Stones e o partido da candidata conservadora à chancelaria alemã, Angela Merkel, pela utilização da canção Angie (diminutivo de Ângela em inglês), do grupo de rock britânico, em atos de campanha da União Democrata-cristã (CDU), partido da postulante, informou nesta terça-feira, em Berlim, um porta-voz da agremiação. "A situação jurídica exata ainda deve ser esclarecida", disse o funcionário. Apesar de ser uma triste canção de despedida, a oposição democrata-cristã fez dela seu hino oficial de campanha eleitoral. Os Rolling Stones reagiram nesta segunda-feira, declarando à imprensa americana que não haviam autorizado o uso da canção para fins eleitorais. "Não demos nenhuma autorização", disse uma porta-voz do grupo à revista Time. "Estamos assombrados de que não nos tenham pedido autorização. Se a tivessem solicitado, a teríamos negado de qualquer forma", acrescentou. O porta-voz da CDU afirmou na terça-feira que a Sociedade Alemã de Gestão de Direitos Autorais de Música (Gema) "deu consentimento por escrito para poder usar a canção". O funcionário partidário acrescentou que Angie foi difundida outra vez na noite de segunda-feira em um ato de campanha eleitoral de Merkel no balneário báltico de Warnemuende (nordeste). A canção, composta em 1973, é regularmente executada ao final dos discursos da candidata em seus atos de campanha para as eleições legislativas antecipadas de 18 de setembro. Enquanto ouvem a música, os jovens integrantes da CDU exibem cartazes cor de laranja com a inscrição Angie, diminutivo de Angela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.