Tolga Akmen / AFP
Tolga Akmen / AFP

Spotify restringe opção 'shuffle' após pedido de Adele

'Nossa arte conta uma história, e nossas histórias devem ser ouvidas da forma como pretendemos', justificou a cantora, que lançou o álbum '30', sobre sua crítica

Jennifer Hassan, Washington Post

21 de novembro de 2021 | 18h22

A cantora Adele cuidadosamente definiu a ordem das músicas de seu álbum mais recente, 30, chamando as 12 faixas de seu "ou vai ou racha durante o período mais turbulento de minha vida". Mas a configuração base do Spotify - embaralhar as músicas dos discos em ordem aleatória (shuffle) - aparentemente ameaça romper a fluidez de sua narrativa musical.

No sábado, 20, o gigante do streaming confirmou que concordou em acatar o pedido da estrela britânica para tocar automaticamente as músicas na ordem da curadoria do artista.

"Essa foi a única solicitação que eu tive em nossa indústria sempre em mudança!", tuitou Adele. "Nós não criamos álbuns com tanto esmero e reflexão na listagem de faixas sem razão. Nossa arte conta uma história e nossas histórias devem ser ouvidas da forma como pretendemos", continuou, antes de agradecer à plataforma.

"Tudo por você", tuitou o Spotify em resposta à cantora. 

Enquanto o novo álbum despertou uma onda de emoções entre os fãs de Adele desde seu lançamento na sexta-feira, 19, também houve uma troca de opiniões públicas.

Alguns nas redes sociais questionaram quem ousaria ouvir a um álbum recém-lançado pela primeira vez no modo shuffle, enquanto outros pareceram preocupados com o fato de Adele ter forçado o Spotify a banir completamente o botão de shuffle.

"Adele está 100% correta. As pessoas que ouvem aos álbuns no modo shuffle são definitivamente insanas", disse um tuíte, enquanto outro fã escreveu: "Eu te amo Adele, mas me deixe usar o modo shuffle em paz [risos]. Eu amo a aleatoriedade".

"O álbum 30 de Adele é de alguma forma uma história. Tente ouvir ao álbum do começo ao fim. Parece que ela está contando sua história - as horas mais sombrias, o divórcio, ela mesma", afirmou outro tuíte, enquanto outro fã foi mais direto: "Adele disse. Nunca use o shuffle em álbuns".

O Spotify não respondeu imediatamente a um pedido de comentário a respeito da mudança, mas a opção de shuffle (representada por duas setas cruzadas) continua visível quando um usuário clica para conferir uma música do álbum.

Muitos usuários do Spotify tem questionado há tempos sobre o modo shuffle como configuração pré-definida. Em uma postagem feita no fórum de ajuda do Spotify em 2019, um ouvindo chamado Mark expressa sua frustração, escrevendo: "Porque a reprodução aleatória é SEMPRE a configuração pré-definida, FORÇADAMENTE?"

"É claro que faria mais sentido apenas começar uma playlist em ordem e então apertar o botão shuffle se você quiser em vez de estragar as coisas dessa forma", diz a postagem.

Após um intervalo de seis anos, o álbum emotivo abrange coração partido, divórcio e a paranoia que muitas vezes vem com a maternidade. 

Apenas 24 horas após o lançamento da primeira música do álbum, Easy On Me, a estrela quebrou recordes tanto no Spotify quanto no Amazon Music.

"Na sexta-feira, 15 de outubro de 2021, Easy On Me, de Adele, tornou-se a música mais tocada em um único dia", confirmou a empresa de áudio, enquanto a Amazon disse que o single recebeu "a maior quantidade de pedidos de reprodução para Alexa em um primeiro dia na história do Amazon Music".

A estrela retornou às manchetes ao redor do mundo. Em uma recente entrevista com Oprah Winfrey, Adele discutiu uma série de assuntos, como seu divórcio, a perda de peso e seu novo namorado, Rich Paul.

E como parte de um especial da CBS intitulado Adele One Night Only, a estrela subiu ao palco do observatório Griffith, em Los Angeles, para cantar uma série de músicas - enquanto também ajudava a orquestrar uma proposta romântica para um casal, embalando-os com sua música cover de 2008 Make You Feel My Love.

Tudo o que sabemos sobre:
SpotifyAdele

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.