Spice Girls dizem curtir mais o sucesso hoje do que há 10 anos

Turnê de reencontro do grupo começou esta semana em Vancouver e vem recebendo críticas positivas

NICHOLA GROOM, REUTERS

06 de dezembro de 2007 | 12h26

As cantoras britânicas Spice Girls, que estão juntas novamente, disseram na quarta-feira, 5, que aproveitam melhor hoje o sucesso e a amizade do que dez anos atrás, quando fizeram sua última turnê mundial. O quinteto conhecido principalmente por seus apelidos - Posh, Baby, Sporty, Ginger e Scary - começou há poucos dias uma turnê de reencontro que vai incluir 40 apresentações. "Sporty" Chisholm disse no mês passado que seria a despedida do grupo. Na quarta, porém, em Los Angeles, as cantoras não excluíram a possibilidade de transformar seu reencontro em algo mais permanente. "Enquanto nossos fãs quiserem shows, estaremos aqui", disse Emma "Baby" Bunton. Mas ela acrescentou que as turnês e o cronograma são bem mais complicados agora, já que a maioria delas têm filhos. A família é um refrão constante entre as Spice Girls, que, além de Chisholm e Bunton, incluem Victoria "Posh" Beckham, Melanie "Scary" Brown e Geri "Ginger" Halliwell. Brown descreveu a turnê como circo viajante, e Beckham disse que na turnê, na qual vão percorrer a América do Norte e Europa, elas são acompanhadas por maridos, filhos, cachorros e professores particulares. As Spice Girls foram um dos maiores fenômenos musicais do final dos anos 1990, tendo vendido 55 milhões de álbuns em todo o mundo e cativado fãs com seu slogan "Girl Power" e sucessos pop como Wannabe e Say You'll Be There. A turnê de reencontro começou esta semana em Vancouver e recebeu críticas positivas. Mas a demanda recente pela música das Spice Girls vem sendo decepcionante. O single que elas fizeram há pouco para fins beneficentes, Headlines, vendeu apenas alguns milhares de cópias na primeira semana, e o álbum Greatest Hits não encabeçou as paradas britânicas.

Tudo o que sabemos sobre:
MUSICASPICEGIRLSREENCONTRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.