SP tem shows de Leila, Guinga e Ron Carter

A cantora Leila Pinheiro gravou, em1997, o melhor disco de sua carreira. Chamava-se Catavento eGirassol e tinha como repertório só parcerias de Guinga eAldir Blanc. Foi uma ousadia. Guinga, embora já prestigiado pelacrítica e conhecido no meio musical, era ainda tabu para aindústria fonográfica. E Leila vinha do sucesso dos discostemáticos dedicados à bossa nova. A ousadia foi premiada. Catavento e Girassol foi umdos discos de Leila que tiveram melhor resultado comercial.Reforçou-lhe o prestígio - e tornou Guinga conhecido por umpúblico mais amplo. Um serviço e tanto prestado à boa música. Acanção título tornou-se um grande êxito, número obrigatório emtodos os shows que ela fez desde então. De lá para cá, o compositor e a cantora encontraram-se,diversas vezes, em palco. Mas nunca fizeram um show juntos - umespetáculo só dos dois, vozes deles, violão dela, piano dele. Mas hoje, finalmente, eles fazem show juntos, no teatrodo Sesc Pompéia, em São Paulo. São as atrações do projetoIntimidade É Fato. Prometem não ficar só no repertório deCatavento e Girassol. Leila vai incorporar novas músicas deGuinga ao roteiro; ele, por sua vez, mostrará composições maisrecentes e - a confirmar - algumas inéditas. O cenário doespetáculo é assinado por Lara Velho e a direção musical é dacompositora Lucina, aliás uma das idealizadoras do projeto, quetem produção do Sesc e do canal "Multishow". Em fevereiro, osespetáculos do projeto terão exibição televisiva. Jazz - Outra atração de amanhã à noite é ocontrabaixista norte-americano Ron Carter, que toca no BourbonStreet Music Club, em duas sessões - às 20h30 e às 23 horas. Osingressos para o primeiro set são mais baratos, mas osespectadores não poderão permanecer na casa após o término daapresentação. Ron Carter terá como acompanhantes os mesmos músicos queestiveram com ele aqui em sua vinda anterior, há dois anos: opianista Stephen Scott, o baterista Payton Crosley e opercussionista Stevie Kroon. Nascido em 1937, Ron Carter é um dos maiores nomes docontrabaixo jazzístico e um grande conhecedor da músicabrasileira. Começou a estudar violoncelo aos 10 anos, mudou parao contrabaixo algum tempo depois e foi com esse instrumento quese juntou, em 1959, ao grupo de Chico Hamilton. Tocou com osmaiores nomes do jazz - Eric Dolphy, Roy Haynes, George Duvivier Mal Waldron, até, em 1963, juntar-se ao quinteto de Miles Davisque era completado pelo baterista Tony Williams e pelo pianistaHerbie Hancock. Foi nos anos 60 que conheceu a bossa nova, tendo gravadopeças do gênero com músicos brasileiros ou com culturesamericanos dele. Participou da homenagem que o Free JazzFestival prestou a Tom Jobim, de quem se tornou amigo eadmirador. É compositor, autor de livros sobre o jazz e seuinstrumento. O Ron Quarter Quartet encerra o projeto Summer Jazz produzido pelo Bourbon Street, que, neste janeiro, apresentou,antes, Vernon Reid e Romero Lubambo.Leila Pinheiro e Guinga. Projeto Intimidade É Fato. Hoje, às 21 horas. R$ 7,50 (estudantes), R$ 11,00 e R$ 15,00. Teatro do Sesc Pompéia. Rua Clélia, 93, tel. 3871-7700 Ron Carter Quartet - Hoje, às 20h30 e às 23 horas. De R$ 35,00 a R$ 75,00. Bourbon Street Music Club. Rua dos Chanés, 127, tel 5561-1643

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.