Ki Price / Reuters
Ki Price / Reuters

Sony Music compra todo o catálogo de músicas publicadas por Bob Dylan

De acordo com estimativas, os direitos podem valer cerca de US$200 milhões

New York Times, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2022 | 13h01

A Sony Music adquiriu todo o catálogo de músicas gravadas de Bob Dylan, incluindo todos os seus álbuns anteriores e “os direitos de vários lançamentos futuros”, anunciou a empresa nesta segunda, 26.

Os termos financeiros do negócio não foram divulgados. De acordo com um cálculo da Billboard, a publicação do comércio de música, os direitos das gravações de Dylan podem valer cerca de US$ 200 milhões, com base em uma estimativa de US$ 16 milhões em receita anual em todo o mundo.

Quando Dylan vendeu seus direitos de composição – que são separados daqueles para gravações – para a Universal Music no final de 2020, esse acordo foi estimado em mais de US$ 300 milhões.

Suas composições são tão valiosas por causa das milhares de versões cover de suas músicas que foram feitas ao longo dos anos – de Peter, Paul & Mary na década de 1960 a Adele, que gravou “Make You Feel My Love” de Dylan. em seu primeiro álbum.

A história de Dylan com a Columbia Records, que é propriedade da Sony, remonta a mais de 60 anos. Ele assinou com a gravadora em 1961, por seu famoso caçador de talentos John Hammond, e a Columbia lançou o primeiro álbum auto-intitulado de Dylan no ano seguinte, que incluía canções folclóricas tradicionais e um punhado de originais de Dylan como "Talkin' New York" e " Song to Woody”, uma homenagem ao seu herói Woody Guthrie.

“Columbia Records e Rob Stringer não têm sido nada além de bons para mim por muitos, muitos anos e muitos discos”. Dylan disse em um comunicado. Rob tringer é o CEO da Sony Music e ex-chefe da Columbia. “Estou feliz que todas as minhas gravações possam ficar onde pertencem”, acrescentou.

Dylan, 80 anos, vendeu os direitos de suas próprias gravações master, que ele controlava há muito tempo, para Sony. De acordo com o anúncio da Sony, a transação foi concluída em julho, tornando-se um dos raros acordos de grande dinheiro da indústria da música para evitar vazamentos por até seis meses.

O acordo faz parte de uma onda de transações para catálogos de artistas, que incluem a compra de US$ 550 milhões pela Sony dos catálogos de músicas e composições de Bruce Springsteen, bem como outros grandes negócios para o trabalho de Paul Simon, Stevie Nicks, Tina Turner, Neil Young, Shakira e outros.

Os direitos autorais para gravações e composições - as letras e melodias subjacentes à gravação de qualquer música - são separados, e ambos foram cobiçados por investidores nos últimos anos, já que o streaming aumentou as fortunas da indústria da música.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Bob DylanSonymúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.