Som brasileiro do Zuco 103 conquista a Europa

Pouca gente no Brasil conhece a cantoraLilian Vieira, mas na Europa ela rapidamente torna-se umaestrela. Radicada em Amsterdã há 13 anos, ela formou em 1998 ogrupo Zuco 103, em parceria com o tecladista alemão StefanShmidt e o baterista holandês Stefan Kruger. O primeiro disco,Outro Lado, foi aclamado pela crítica internacional e abriuas portas para a banda na Europa e nos Estados Unidos. Orecém-lançado Tales of the High Fever também vem ganhandoelogios e já levou o grupo para diversos países.Lilian mudou-se para a Holanda no final na virada dos anos 90 epassou cinco anos estudando música em um conservatório. Duranteo curso, participou de várias bandas de estilos variados, mas atemporada na escola fez com que ela resolvesse se afastar damúsica. "O Zuco surgiu quando eu havia decidido ir aprender atrabalhar com computadores", disse a cantora em entrevista àPlanet Pop, durante a passagem da banda por Nova York. Porinsistência dos amigos músicos, aceitou o convite para gravar umdisco "em um quartinho com um computador bem velho".O resultado foi Outro Lado, descoberto pelo produtor BécoDranoff (responsável por vários discos da série Red Hot e pelolançamento de Tanto Tempo, de Bebel Gilberto, e São PauloConfessions), que abriu espaço para o estilo que passou a serchamado de brasilectro. A mistura de elementos brasileiros esonoridades eletrônicas, explorada também por outros gruposmulticulturais como Da Lata, Jazzanova e o produtor iugoslavoSuba, ganhou espaço próprio nas lojas de discos e publicaçõesinternacionais.Na Holanda e outros países da Europa, o Zuco conquistou umpúblico fiel, fazendo apresentações constantes e participando defestivais importantes. A sonoridade deles, baseada em beatsminimalistas e timbres de teclados retrô, diferenciou-seprincipalmente dos remixes house e outros trabalhos dançantesque passaram a incorporar vocais em português. As faixas doprimeiro disco também foram remixadas por vários DJs eprodutores para o disco Other Side of Outro Lado: RemixAlbum. O novo álbum, Tales of the High Fever foi igualmente bemrecebido e trouxe uma mistura maior de estilos e influências."Acho que quando você pega a música tradicional e mistura elacom outras coisas, mas sempre mantendo um certo respeito, acabatendo um resultado muito interessante", diz a cantora.Lilian diz que sempre foi fã de Elza Soares, Elis Regina eCaetano Veloso, mas passou a se sentir "mais brasileira"depois de ir morar em Amsterdã. "Quando a gente está longe, vêtudo de uma maneira diferente", diz ela. "Os dois Stefanscresceram ouvindo música brasileira", explica a cantora sobreos companheiros de banda. "Por influência dos pais, que tinhamcuriosidade pelo Brasil, sempre tiveram interesse pela nossacultura."Ironicamente, nenhum trabalho do Zuco 103 foi lançado no Brasil.Eles fizeram uma passagem rápida pelo país há poucos meses paragravar o videoclipe da música Treasure na Ilha Bela. Otrabalho, por sinal, vem sendo exibido em canais de TV de paísestão variados quanto Turquia e Dinamarca. "Adoraríamos conseguirmostrar nossa música no Brasil, mas acho que cada coisa tem seutempo", diz ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.