Som baixo e telões apagados fazem público abandonar Imagine Dragons

Aparelhagem de som insuficiente para fazer as músicas se tornarem audíveis prejudicou quem não conseguiu espaço próximo ao palco

Gabriel Perline, O Estado de S. Paulo

05 de abril de 2014 | 18h54

Os trinta minutos que antecederam o show de Imagine Dragons serviram para esvaziar algumas ilhas do Autódromo de Interlagos. Uma multidão partiu em direção ao palco Onix, o mais afastado de todo o Lollapalooza, e concentrou os que esperavam pela banda-sensação do indie-pop-rock americano.

A concentração massiva revelou um problema da arena: aparelhagem de som insuficiente para fazer as músicas se tornarem audíveis a quem não conseguiu um espaço próximo ao palco. E as reclamações tomaram conta de quem ficou na parte elevada da arena. "Aumenta o som, aumenta o som", gritava em coro o público concentrado na "arquibancada". O problema não foi contornado.

Mas a performance do Imagine Dragons foi coesa. O vocalista Dan Reynolds ficou impressionado com a quantidade de pessoas diante do palco. "Sempre ouvi que o público brasileiro é o melhor do mundo. E é verdade", disse o músico, arrancando gritos histéricos.

O show começou enérgico, principalmente quando o hit It's Time foi apresentado e cantado em coro. O curto repertório obrigou os músicos a incluírem Song 2, do Blur, no setlist. Depois desta, um balde de água fria parece ter caído sobre a cabeça do público. Uma sequência de baladinhas pouco conhecidas pela maioria, somada aos telões desligados, fizeram boa parte abandonar a arena. "Vamos sair daqui e tentar um bom lugar no show da Lorde", disse um dos rapazes.

Os espaços, antes disputados a empurrões, ficaram vagos, e quem estava longe, conseguiu se aproximar um pouco mais do palco para ver e ouvir de perto o hino Radioactive, sensação das FMs, muito bem executado pela banda, responsável por reacender o público e encerrar a noite sob uma chuva de aplausos.

Tudo o que sabemos sobre:
Lollapalooza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.