Adriana Aranha
Adriana Aranha
Imagem Roberta Martinelli
Colunista
Roberta Martinelli
Som a pino
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Som a Pino: ‘Vai passar...’

O cantor e compositor Douglas Germano prepara o lançamento de seu 3.º disco solo, 'Escumalha', e no dia 30 faz show no Sesc Pompeia

Roberta Martinelli, O Estado de S. Paulo

21 de maio de 2019 | 02h00

Minha primeira coluna aqui no jornal foi sobre uma música de Douglas Germano que virou hino na voz de Elza Soares: Maria da Vila Matilde (porque se a da Penha é brava, imagina a da Vila Matilde). A música também foi gravada por ele e lançada no disco Golpe de Vista. Um disco autoral, o segundo do cantor e compositor, que traçava um retrato real do País em 2016. Um disco com 12 composições fundamentais e que deveria ter sido escutado Brasil afora muito mais do que foi. O tempo é rei e com certeza ainda será, ainda será...

Douglas Germano se prepara para lançar agora o terceiro disco solo da carreira, Escumalha, palavra que no sentido figurado é usada para designar a ralé, parte desfavorecida de uma sociedade. A parte que a maioria dos privilegiados gosta de deixar bem quietinha e longe do poder, sabe? 

2019. Este é o ano de lançamento de Escumalha. O disco está previsto para esta semana em todas as plataformas digitais e dia 30 de maio tem show no Sesc Pompeia. Uma primeira canção já está no YouTube, uma parceria forte de Douglas com Aldir Blanc, um samba de letra afiada "é um valhacouto: sangue e mentiras, vitória da insensatez. Crianças matando, imitando tiras, vale da morte, estupidez". A música foi feita em março de 2019, mas, nem sei se precisava contar após a leitura desse trechinho que coloquei aqui. 

O disco novo tem dez faixas. As canções foram compostas na turbulência que vivemos. Ouvindo o disco me lembro da noite de apuração de votos para a eleição presidencial de 2018, na janela do prédio da frente o moço gritava "Agora sim...agora vocês vão morrer" e se no nome do disco o sentido é figurado, na frase do vizinho agressivo parece que não era. A vontade era real. No impactante texto de abertura do disco escrito pele escritor, professor e historiador Luiz Antonio Simas: "A escumalha chama, com as bênçãos do orixá e parceiro Aldir Blanc, os babacas daquilo que eles de fato são: canalhas e vendilhões que comandam, em direção ao precipício, a nau de insensatos". 

Pena que nessa nau estamos indo todos. Mas, nós vamos cantando, lutando, segurando, explicando. Se tantas vezes já grifei a importância da arte no momento em que vivemos, que importante é esse disco que será lançado. Que importante poder falar, que importante ser livre para escutar. Fundamental tudo isso.

E a real é que se esse disco que será lançado ainda não for escutado por tantos como deveria é porque "o Brasil oficial tem verdadeiro horror ao Brasil da brasilidade". Essa frase é também do Simas. Triste ler o Brasil oficial, este não deveria ser chamado assim, ainda é, mas não será, não será...

Música da Semana

Corre Corre

No fim da semana passada, aconteceu o último show dessa turnê de volta do Los Hermanos, aqui em São Paulo, e o Allianz Parque lotado (45 mil pessoas) cantou todas as músicas da banda do começo ao fim. Essa música foi lançada no encontro atual e agora teremos alguns anos para decorar, até a próxima volta. Estamos aguardando. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.