Gil Inoue
Gil Inoue

Som a Pino: 'É preciso estar atento e forte...'

A resposta é cantarmos juntos

Roberta Martinelli, O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2017 | 02h00

Quando eu era mais menina, tinha uma brincadeira chamada ‘mãos peditórias’, um nome esquisito, eu sei, mas a brincadeira funcionava assim: eu entrava no carro ou sentava do lado do rádio e fazia uma pergunta, coisas banais como “o fulano gosta de mim?” ou “eu vou trabalhar com algo legal?”, eram questões da juventude e eu rodava o dial até parar e então ali estava a resposta: era uma música. Eu ouvia atenta e tentando decifrar o que ela queria dizer. Era uma brincadeira, claro. Mas eu segui buscando respostas nas canções.

SIM SÃO PAULO

No domingo passado, foi o encerramento da quinta edição da SIM (Semana Internacional de Música), uma convenção que cresce a cada ano com show cases, palestras, workshops, noites e, mais do que tudo isso, encontros. Profissionais de todo o País e mais outros de fora trocaram contatos e vontades. Temos muito o que fazer pela música, digo mais, temos muito o que fazer pelo nosso país e a música tem esse potencial.

NÃO NA REDE

Outro dia, procrastinando na internet, li comentários de pessoas, essas que se escondem atrás do computador falando de uma artista - são opiniões racistas, machistas e homofóbicas. Fiquei atordoada, pensando o que leva uma pessoa a entrar em um lugar para escrever coisas assim. Enquanto pessoas são assassinadas, apanham, sofrem, eu vejo shows potentes de artistas maravilhosas. Tem quem escolha ficar em casa, colocando para fora seus preconceitos nas redes sociais enquanto outros estão nos palcos, melhorando nosso mundo. A música tem esse potencial e por saber disso que algumas pessoas tentam censurar exposições, fechar teatros, impedir peças. Mas não, nunca aceitaremos. Não. 

MTST

E no domingo teve show de 20 anos do MTST no Largo da Batata, em São Paulo, e Caetano Veloso cantou (depois de ser proibido de cantar uma vez em São Bernardo), cantou pra mais gente, cantou forte e cantamos juntos porque a música tem esse poder. Junto com ele no palco estavam Criolo, Maria Gadú e Péricles. Fora do palco, tanta gente, mas tanta que eu acho que a resposta é a música mesmo. A resposta é cantarmos juntos. 

'MÃOS PEDITÓRIAS'

Então no meio do show resolvo retomar a brincadeira da juventude, aquela de nome esquisito, e pergunto na minha cabeça “o que será do nosso país no ano que vem?” e espero a próxima música do show com a resposta e entra Criolo e começa o seu hino de 2017, Menino Mimado. Pois o que eu espero é que a gente já tenha aprendido isso para o ano que vem.

MÚSICA DA SEMANA

Refazenda

Versão da banda Nação Zumbi para a música de Gilberto Gil no novo disco Radiola NZ, com lançamento em São Paulo no fim de semana. Dias 15, 16 e 17 de dezembro no Sesc Pompeia. No disco de versões tem Taiguara, Bowie, Secos e Molhados, Tim Maia. O disco já está disponível em todas as plataformas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.