Sivuca (1930-2006), um estilista da sanfona

Estilista da sanfona, Sivuca foi um dos músicos maisinfluentes na arte desse instrumento, em diversos casos mais doque o pernambucano Luiz Gonzaga (1912-1989). Se Gonzagãoredimensionou e popularizou o instrumento ao colocá-lo nacondução de seu invento, o baião, Sivuca o expandiu,contribuindo significadamente para seu enriquecimento, bem comoo da música brasileira em geral, com o requinte de seus arranjos a beleza de suas melodias e a versatilidade de instrumentista,transitando com desenvoltura entre o erudito e o popular, o jazz o choro e os ritmos nordestinos.(Severino Dias de Oliveira, conhecido nacionalmente como Sivuca, morreu aos 76 anos, nesta quinta-feira à noite. Ele estava internado desde a última terça, no Hospital Memorial São Francisco, em João Pessoa, na Paraíba. Tinha câncer na garganta.) É coerente que tenha encerrado a carreira com um CDintitulado Sivuca Sinfônico, em que homenageia justamente o "reido baião", fechando um círculo elegante. Em passagem recente porSão Paulo, o acordeonista francês Richard Galliano, um de seusvários discípulos, comentou: "Um dia, Sivuca me disse: é umacoisa louca, parece que toda minha energia vem de Luiz Gonzaga"."É um gênio, abre os horizontes" As influências do mestre são detectadas nos recônditosmenos esperados, como foi o caso dos escandinavos nos anos 60.Outro dos grandes entusiastas do mestre mundo afora é oacordeonista René Lacaille, da Ilha da Reunião, radicado naFrança. "Conheço bem os acordeonistas da África e da Europa enão encontrei outro como Sivuca em lugar nenhum do mundo; ele éum gênio, abre os horizontes", disse o músico ao Estado, durantesua passagem pelo Rio, em 2001. Os CDs Sivuca Sinfônico (Biscoito Fino) e TerraEsperança (Kuarup), ambos lançados em 2006, revelam que o grandemúsico mantinha viva a predisposição ao virtuosismo, que oscoloca entre seus trabalhos antológicos. No primeiro, homenageou Luiz Gonzaga (1912-1989) comRapsódia Gonzaguiana e Concerto Sinfônico para Asa Branca, criando variações sobre temas do mestre. Recriou também dois deseus clássicos (João e Maria e Feira de Mangaio), uma peça semi-erudita também de seu acervo (Aquariana) e impressiona peladesenvoltura com que interpreta desde uma peça complexa Paganini(Moto Perpétuo) até um choro de Luperce Miranda (Quando meLembro). Adeus, Maria, Fulô, regravada pelos Mutantes Em Terra Esperança, o músico reuniu 11 dos maisrepresentativos grupos de instrumentistas de João Pessoa,incluindo o refinado Quinteto da Paraíba, o JP-Sax, a BrazilianTrombone Ensemble e o conjunto de câmara Quinteto Uirapuru. Oshow de lançamento do CD foi registrado em DVD. Com o Uirapurutambém dividiu um álbum inteiro em 2004, Sivuca e QuintetoUirapuru (Kuarup), unindo sanfona e cordas em temas novos econsagrados.É provável que Sivuca seja mais lembrado por seus temas comletras, de apelo mais popular. Primeira composição de sucesso do músico, Adeus, MariaFulô (com Humberto Teixeira) ganhou novo fôlego ao ser regravada pelos Mutantes no augedo tropicalismo. Desde o de Chico Buarque e Nara Leão, em 1977,a temática infantil de João e Maria atravessou décadas, desdeos anos 70. Feira de Mangaio virou um clássico irresistível doforró na voz de Clara Nunes e dele próprio. O dueto com Fagnerem No Tempo dos Quintais (também divinamente gravada porElizeth Cardoso) é outro de seus momentos marcantes. Seu primeiro DVD, O Poeta do Som, produzido e dirigidopor Glorinha Gadelha, contou com a participação de 200 músicosda Orquestra Sinfônica da Paraíba, além dos grupos citados comquem dividiu o CD. Depois de rodar o mundo, Sivuca voltou amorar em João Pessoa, para tratar melhor da saúde. No entanto,ironizou numa entrevista: "Vim para Paraíba para descansar, masnunca trabalhei tanto na vida".Leia poema de José Nêumanne Pinto para SivucaA bênção, maestro! A glória, para Sivuca, não se reduz à fama nem se conta em notas, as moedas sempre falsas a trocar de mão. Pois a glória de Sivuca tem nada a ver com fortuna. A glória de Sivuca é onça caetana e é légua tirana, uma mágoa insana. Ela tem a ver é com a sorte, com a sorte até pode ser, mas não a sorte no jogo e, sim, a sorte no amor. Pois a glória é menina, a glória é moça, seu nome é severino e é nome de mulher. Pois é, a glória é mulher. E também é melhor: é gáudio, é orgia, é folia, carinho, estripulia. Para aquele moço de Itabaiana, a glória sabe o que é? É entrar no Metropolitan Opera pela porta da frente e pelo poço da orquestra, essa cacimba em si, esse rio em fá, esse mar sem mi, esse povo sem dó, esse sertão que é só: a glória é pó, é pó e é pó. A glória, para nosso mestre, é uma banda inteira e é alva, albina, é fina: a glosa do verso torto e a tosa da rima acima, é subir aos céus na tocata e fuga de Bach e descer aos infernos num tema de Miles Davis. E tudo num instrumento camponês, uma sanfona sacana, uma safena safada, um fole de oito baixos e tantos outros altos a resfolegar e a respirar o alento todo do cosmos, o justo susto do caos. Pode até ser o violão de Pata Pata por trás de Miriam Makeba, mas de dentro da África inteira em feiras de mangaio em chinelos de rabicho, num choro de cor e dor, riso da alma e ônus do amor. A mera prova sublime de que a vida é música e a morte é máscara: uma canção de nanar nenê, uma cantiga de amigo, o Bolero de Ravel na Praia do Jacaré e o réquiem que Mozart fez para o próprio enterro. Ela vem no berro primevo do guri expulso do ventre, o morno ventre materno. É ainda a república dos sonhos e o império dos cinco sentidos: a vista curta, o passo largo, o tato esperto, o couro cru, um gosto azedo de pitomba verde e os sons barrocos dos carrilhões das catedrais de Colônia, Paris, Veneza e Patos. A glória é a mãe do santo, o porre, o pranto. A glória é um manto: a sagrada lã do profano clã. É mais o forró forro do banzo negro e o frevo rasgado de nós, cativos da paixão, amém!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.