Sinfonia Cultura inova com autores brasileiros

A Sinfonia Cultura abre sua programação de setembro em clima de comemoração. A série de concertos a preços populares que o grupo tem feito semanalmente no Sesc Belenzinho está completando um ano, com a proposta de criar um novo público para a música erudita. No domingo, a orquestra, regida por seu diretor musical Lutero Rodrigues, inova ao executar composições recentes de autores brasileiros.Ela inicia o concerto com a Suíte 500 Almas, de Lívio Tragtenberg. Apesar de composta a partir da suíte Música Aquática, de Haendel, Lutero Rodrigues ressalta que quem conduz o discurso musical é Tragtenberg. "Em alguns momentos há citações de Haendel incluídas pelo Lívio, mas ele compõe com liberdade para criar música moderna sem ser de vanguarda", afirma.Em seguida, com a presença, ao piano, da brasileira Karin Fernandes, a orquestra interpreta o Concerto n.º 3 para Piano e Orquestra, do também brasileiro Edmundo Villani-Côrtes. A peça, concluída no ano passado, mostra, na opinião do maestro, um pouco daquilo que foi a tônica da carreira de Villani-Côrtes. "Nessa peça estão presentes o componente nacionalista e a relação de seu trabalho com a música popular: a harmonia por ele utilizada é típica desse gênero musical."Outro ponto ressaltado por Rodrigues é o grandioso e competente trabalho de orquestração. "A peça mostra o grande orquestrador que é Villani-Côrtes, autor de uma obra gostosa de ser ouvida, de grande comunicabilidade e acredito que o público deverá responder positivamente a ela."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.