Sinéad O´Connor declara-se lésbica

A cantora irlandesa Sinéad O´Connor, mãe de um menino e de uma menina e ordenada sacerdote por um bisco católico dissidente, declarou que é lésbica. A publicação Curve, que se define como ?a revista lésbica cibernética mais vendida? incluirá em sua edição do próximo 27, uma entrevista em que Sinéad faz essa declaração. A revelação da cantora coincide com o lançamento no mercado de seu novo disco Faith and Courage (Fé e Coragem). Seu último álbum, Universal Mother, é de 1994.Quando Sinéad O?Connor se tornou conhecida, no fim da década de 80, não só sua voz chamava a atenção, ela também se destacava por sua cabeça raspada e suas declarações controvertidas. Talvez já se pudesse perceber alguma insinuação de homossexualidade na canção Nothing Compares 2 U, composta por Prince, mas Sinéad, naquela época, já tinha um filho e era vista sempre em companhia masculina. ?Agora, aos 33 anos, Sinéad diz que está em paz?, indica a revista. Sinéad, que cria o filho Jake de 12 anos e divide a custódia de sua filha Roisin, de 3 anos, com o jornalista John Waters, se nega a viver uma vida "alijada da verdade?, acrescenta a revista. A cantora, segundo a publicação, está pronta a dizer ao mundo: "sou lésbica?. E disse: ?Sou lésbica, apesar de nunca ter sido muito aberta a esse respeito e durante a maior parte da minha vida ter saído com homens porque não me sentia necessariamente muito bem sobre o fato de ser lésbica. Mas, realmente, sou lésbica?, disse Sinéad, segundo a revista.A artista acredita que ?o amor é política, o amor é realmenta a única política, a única rebelião e revolução. Quando eu era mais jovem tinha pouca estima por mim mesma e sentia que não merecia a oportunidade de divertir-me, de ser alegre?, acrescentou. ?Agora, entretanto, quero ser uma cantora da alma, que é o que acredito que sou. Não sou o tipo de artista que aparece nas listas de discos mais vendidos, mas uma artista de discos?, disse à revista.Polêmica sempre foi o forte de Sinéad. Em 1992, durante uma de suas visitas aos Estados Unidos, ela causou um grande escândalo ao rasgar a foto do papa João Paulo 2º no programa de tevê Saturday Night Live. E ainda, depois de passar anos criticando o catolicismo, ela foi ordenada sacerdotisa pelo bispo Michael Cox - oficialmente excomungado em 1998 -, líder da seita católica Igreja Tridentina Latina. Para divulgar seu novo disco Faith and Courage, ela aparece vestida com um casaco longo azul com colarinho de padre e um grande crucifixo pendurado em uma corrente na revista Time desta semana. E na entrevista concedida ao jornalista Christopher John Farley, em Dublin (Irlanda), Sinéad fala de celibato e não de lesbianismo. ?Tenho uma enorme vocação para o celibato e esse será, provavelmente, o caminho que vou seguir?, declara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.