Rodrigo Marques
Rodrigo Marques

Simone: 'Então é Natal com John Lennon pode, comigo não'

Perto dos 70 anos, cantora baiana fala de política, do patrulhamento por cantar artistas considerados bregas, e, sobretudo, por ter feito sucesso com 'Então é Natal', a versão para 'Happy X-Mas', de Lennon. Conta ainda que pretende fazer um álbum só com músicas conhecidas nas vozes de cantores populares

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2019 | 06h00

Há uma Simone que o tempo esconde sob os escombros do escárnio desde o final do ano de 1995, quando um álbum natalino inspirado no que fazem cantores norte-americanos e europeus desde os anos 50 saiu para se tornar um dos virais mais avassaladores da pré-internet. Então É Natal, versão de Happy X-Mas, de John Lennon, teve dois impactos. Simone tomou o País, vendeu muito e se tornou ainda mais conhecida ao mesmo tempo que sua imagem passou a sofrer o desgaste do estigma. Em poucas semanas, Então É Natal se sobrepunha com peso desproporcional à carreira de uma das maiores vozes do País, que Quincy Jones ouviria se tivesse um último pedido a fazer. Um histórico de álbuns poderosos desde a estreia, em 1973, imagens de ginásios lotados nos anos 80, interpretações icônicas como a de Começar de Novo, de Ivan Lins, e uma corajosa apresentação de Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores, às lágrimas, diante de 90 mil pessoas ainda sob as ameaças e os camburões de 1982.

Simone fará 70 anos em 25 de dezembro, Natal. Ela recebeu o Estado com exclusividade na sede da gravadora Biscoito Fino, no Rio, e falou sobre os momentos em que diz ter sido "pega pra Cristo", muitos deles por gravar artistas considerados brega, como José Augusto e Michael Sullivan. Falou das dificuldades em arrastar sua carreira para as redes sociais e passou pelas pendengas políticas citando Cazuza: “O meu partido é um coração partido”.

Haverá algo para seus 70 anos?

Estou começando a fazer a fundação do disco novo. Não tenho essa ânsia de gravar, mas vou te dizer uma coisa: ainda vou fazer um álbum cantando todos eles. José Augusto, Peninha, Wando. Quero cantar Fogo e Paixão. Amado Batista, Odair José. Ah, que preconceito é esse. Sempre preferi que o cantor dissesse logo: “Eu te amo, estou com tesão”. Pra que rodear tanto? (risos)

Para uma geração inteira, não ter vida digital é não existir. Acha que sua carreira deve passar por uma renovação nesse sentido?

Acho que demorei um pouco, mas ela está sendo feita. Confesso que não tenho paciência. São muitas mídias e eu sou muito presencial, não tenho esse hábito, esse vício. Nunca fui escrava disso, não sou celular e não vou sacrificar minha vida pra dizer que eu existo porque eu existo. 

Você tem uma série de grandes álbuns nos anos 70, mas algo parece mudar nos 80, com uma ideia de discos mais vendáveis. 

Eu nunca rotulei nada. Até hoje ouço uma canção e, se gosto, gravo. Não quero saber quem fez, se é brega ou não é. A minha vida é assim. Não tenho preconceito. Se a pessoa é magra, gorda, preta, branca, é gente. Você pode fazer tudo o que quiser desde que assuma o que faz. E tudo o que eu fiz na vida eu assumi. Coisas boas ou não, bem feitas ou não. Era aquilo. Se eu estava frágil, se minha cabeça não estava legal, era aquilo. Na minha casa ouvíamos Elizeth Cardoso, Angela Maria, Orlando Silva, Dalva, Silvio Caldas, Orlando Dias, Cauby, que eram bregas, e ópera, que meu pai adorava. Nunca ouvi João Gilberto em casa. 

Você tinha noção dos lugares para onde sua carreira iria de acordo com o que gravava?

Não. Olha, por exemplo, Jura Secreta. Quem iria imaginar que Jura Secreta iria se tornar uma música popular? Ninguém. O Amanhã! Quem iria imaginar, a última música do disco. Mas ninguém havia pego um samba-enredo mais lento e gravado daquele jeito. Eu posso reclamar de algumas coisas. Os tons das músicas eram muito altos, era até onde você aguentava. E o Amei Demais (1988), do Sullivan e Massadas, não é uma música boa, eu não a gravaria de novo, eles têm músicas melhores.

Cantoras como Gal, Maria Bethânia e até Elis também fizeram esse movimento de gravar compositores considerados bregas. Gal gravou Um Dia de Domingo, de Sullivan e Massadas, por exemplo, e Bethânia gravou É o Amor, de Zezé e Luciano, e um disco inteiro de Roberto Carlos. E, mesmo assim, elas se tornaram cult. Sente um patrulhamento diferente sobre você?

Você sabe me responder isso?

Você tem essa percepção?

Não sei, não tenho uma máquina pra saber. Minha voz é bonita, eu tenho um timbre maravilhoso, sou uma pessoa atrevida, não levo desaforos para casa, sei que sei cantar. Não é justo.

O que não é justo?

Eu faço parte da música popular brasileira. Eu faço parte. O meu nome está lá, eu estou lá. Eu fui atacada porque cantava bolero, porque ia para a praça pública, porque gravava José Augusto, porque não votava no Lula, porque gravei um disco de Natal, mas eu nunca escondi o que iria fazer e nunca fui pau-mandado. Acho horrível pessoas sem posicionamento.

Vem 1995 e você faz o álbum de Natal.

E me pegaram pra Cristo de novo. Tanto que, logo depois, eu fiz o disco com Martinho da Vila (Café com Leite), um disco maravilhoso, mas o Martinho não era o Paulinho. Martinho não era cult. Sobre o disco de Natal, eu estava em Miami. Entrei em uma loja de discos e parei na ala que, meu Deus, só tinha discos de Natal gravados pelos maiores cantores do mundo. Bem, eu nasci em um 25 de dezembro, minha mãe conta que os sinos tocavam. O Natal tem um peso enorme na minha vida. Eu então liguei para o Marcos Maynard (então da gravadora Polygram) e disse: “Tenho uma ideia, estou chegando em dois dias, vamos nos encontrar? Não leve ninguém”.

E então?

Quando contei a ideia, ele disse “p... que pariu, c...!”. E foi assim. Uma música, apenas uma, e todo mundo ouvia. O problema é que cantada pelo John Lennon podia. Por mim, não. E as pessoas diziam, ‘ah, mas você fez um disco de Natal’. Claro que tem inveja nisso. A música tocou, eu fiquei conhecida do público, o disco vende até hoje e eu faria tudo de novo, não tenho a menor vergonha do que eu fiz na vida.

O que explica tanta resistência à música?

O Jobim dizia que era proibido fazer sucesso no Brasil. Se outra pessoa tivesse a ideia, como eu tive várias ideias e me foram roubadas... Se outra pessoa tivesse, seria genial, mas como era a minha...

Você teve ideias roubadas?

Ah, deixa pra lá...

Havia 90 mil pessoas no Morumbi em 1982 para um show coletivo e você cantou Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores ainda na ditadura. Não teve medo?

Não vou dizer colhão porque eu não tenho, mas tive coragem. Eu fui até ameaçada de morte. O Flávio Rangel (diretor teatral) chegou na minha casa quando estávamos fazendo o repertório e disse: “Meu amor, eu vou te falar o nome de uma música e você pense por 48 horas se quer ou não cantá-la. Ela poderá trazer problemas”. Eu disse, “diga logo”. Ele disse: Caminhando. E eu: “Quando?”. Depois disso, cheguei a cantar em shows com a polícia jogando gás lacrimogêneo no palco. Uma vez, em Brasília, veio um recado do coronel Newton Cruz: se eu fizesse algum gesto no palco, iria presa.

Vieram as Diretas Já! e você estava lá. Depois, declarou apoio a Collor, em 1989. E hoje?

Meu partido é um coração partido. Eu não confio mais. Está tudo ruim, e não é de agora, mas de muito tempo. E eu nunca votei no PT, meu sonho acabou mais cedo do que o sonho de outras pessoas. Quando votei nas eleições de 1989, em Collor, não ia votar no Lula, como não votei. Não ia votar em ninguém. Votei no Collor porque acreditei, mas também botei o dedo na cara dele e não posso te dizer o que eu falei. E eu sinto pelo povo que esteve com o PT, pela massa que acreditou nessa falsa moral. Teve coisas boas, não posso negar, mas não posso negar o que foi ruim. Uma pena, um país tão lindo, meu Deus. Em 89 gravei Louvor a Chico Mendes e hoje é a mesma coisa. A Amazônia queima, favelas aumentam, as pessoas não têm casa, não têm comida, não têm cultura, não têm saúde! A mesma coisa! Meu avô dizia que o avô dele dizia isso!

O que está achando da área cultural do atual governo?

E isso é Cultura? Um cara que chama o rock de demoníaco? O que é isso? Outro que chama Martinho da Vila de vagabundo que deveria voltar para o Congo? O que eu poderia estar achando disso?

É verdade que Quincy Jones queria produzir um disco seu?

Ele foi questionado certa vez: “Se você fosse morrer amanhã, o que gostaria de ouvir antes?”. E respondeu: “Miles Davis e Simone”. E disse ainda que Elis era a técnica e eu, a alma.

Há outra história de que Elis chegou para você no especial Mulher 80, olhou pra cima e disse: “Quer dizer que você é a maior cantora do Brasil?”.

(Risos) Olha, não me lembro, mas a gente estava nos bastidores e, quando cheguei perto dela, disse que éramos a dupla salário mínimo e inflação, que na época subia da noite para o dia.

As pessoas parecem respirar ódio como em poucas vezes na história. Cantar mais não ajudaria a balancear um pouco isso?

O poder do amor (ela para de falar e se emociona). Merda. Acho que a música transforma, o amor transforma, ninguém vai tirar a minha voz. Enquanto achar que vou somar algo, eu canto. Não canto por dinheiro, não vou a lugar algum para aparecer. Eu tenho um coração enorme, difícil falar de mim mesma (para de novo para respirar).

O que a entristece tanto?

Eu fico triste quando leio uma matéria de página dupla sobre a Fernanda Montenegro e o jornal dá crédito para um filho da p... falar mal dela. Acho que temos de nos posicionar, não vim para essa terra para viver em um casulo, nunca me escondi e não vai ser agora que vou me esconder. Se faço o bem? Eu só posso fazer o bem cantando. Como é que eu posso sofrer bullying por cantar! Por gravar Então É Natal! Eu fui exposta. Nada do que eu fiz valeu?

Bullying de quem?

De todo mundo, até de juiz.

Onde isso?

Aqui no Rio e em São Paulo. Não podia tocar em shopping porque tocava muito. Podia tocar com John Lennon, comigo não. O que a música faz de mal? Satânico é quem diz. Música é coisa de Deus.

Enquete

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.