Silverchair faz show em SP. E pode ser o último

Amanhã ninguém sabe. O nome da biografia recém-lançada do grupo australiano Silverchair (que toca hoje no Credicard Hall) dá uma medida da expectativa que cerca esse show - pode ser a última turnê, já que o vocalista e espécie de mártir romântico Daniel Johns, líder do grupo, fala em parar com a banda. A biografia, escrita por Jeff Apter, editor de música da revista Rolling Stone australiana, mostra a trajetória desses veteranos garotos. Com idade média de 16 anos, já estavam no palco. Fizeram fama no último Rock in Rio.Agora, com idades por volta dos 23, evoluíram dos três acordes do grunge que os projetou e fizeram um CD, Diorama, cheio de arranjos de cordas, pianinhos e atmosferas artesanais, com referências do Queen ao Led Zeppelin. Por conta desse disco, Diorama, Daniel Johns (o compositor da trupe) recebeu este mês diversas indicações para o prêmio Apra, uma espécie de Grammy australiano. Duas canções, The Greatest View e Without You, concorrem ao título de canção do ano.O show é exemplo da tenacidade do cantor, que sofre de artrite e foi proibido no ano passado, pelos médicos, de excursionar. No set list do show, o grupo capricha num repertório de 22 canções. Abrem com After All These Years e seguem com sucessos como Luv Your Life, Petrol and Chlorine, Across the Night e Emotion Sickness. Além de Johns (guitarra e voz), o Silverchair tem na formação Ben Gillies (bateria e percussão) e Chris Joannou (baixo).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.