Siga a cronologia de Johnny Alf, um dos grandes da bossa nova

Confira os fatos importantes na carreira do cantor, compositor e pianista carioca Johnny Alf.

Lauro Lisboa Garcia, de O Estado de S. Paulo,

04 de março de 2010 | 20h08

 

1929 - Alfredo José da Silva nasce no Rio de Janeiro, no dia 19 de maio

1938 - Aos 9 anos, começa a aprender piano clássico com Geni Borges, amiga da família

1949 - Torna-se sócio-fundador do Sinatra-Farney Club, ao lado de Dick Farney, Nora Ney, Tom Jobim e Luiz Bonfá, entre outros

1952 - Inicia a carreira profissional como pianista na Cantina do César, casa noturna de propriedade do radialista César Alencar e tem suas primeiras composições gravadas pela atriz e cantora Mary Gonçalves

1953 - Compõe Rapaz de Bem e Céu e Mar, duas canções consideradas precursoras da bossa e revolucionárias em termos harmônicos e melódicos

1954 - Muda-se para São Paulo, onde passa a atuar nos bares Baiúca e San Michel

1955 - Grava e lança o primeiro disco de 78RPM significativo de sua carreira, com Rapaz de Bem de um lado e O Tempo e o Vento de outro, considerado por pesquisadores como o primeiro disco de bossa nova

1961 - Lança o primeiro LP, Rapaz de Bem, destacando-se com Ilusão à Toa, e recusa um convite do compositor Chico Feitosa para tocar no Carnegie Hall, em Nova York em novembro do ano seguinte, no evento que consolidou o sucesso da bossa nova no exterior

1962 - Retorna ao Rio de Janeiro, onde passa a tocar no Bottle's Bar, e forma um trio com o baixista Tião Neto e o baterista Edison Machado

1965 - De volta a São Paulo, realiza a partir desse ano uma série de shows pelo interior do Estado e atua como professor de música do Conservatório Meirelles

1967 - Participa do III Festival da Música Popular Brasileira, da TV Record, de São Paulo, com Eu e a Brisa; interpretada pela cantora Márcia, a canção foi desclassificada nas eliminatórias, mas se tornaria seu maior sucesso

1990 - Afastado dos estúdios desde 1978, grava o álbum Olhos Negros, lançado no ano seguinte, ao lado de convidados como Chico Buarque, Caetano Veloso, Zizi Possi, Gal Costa, Gilberto Gil e outros

1999 - É contemplado com o Prêmio Shell de Música pelo conjunto da obra

2005 - Lança Mais Um Som, seu primeiro álbum de canções inéditas em 28 anos

2009 - Faz seu último show em agosto, no Teatro do Sesi, em São Paulo, ao lado da cantora Alaíde Costa

Mais conteúdo sobre:
Johnny Alf

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.