Shows beneficentes nos EUA arrecadam US$ 150 mi

O fim de semana dos eventos beneficentesnos Estados Unidos virou uma celebração de patriotismo misturadacom sessão de terapia pós-atentado. Cerca de 6 mil bombeiros, policiais e familiares de vítimas da queda do World Trade Center foram homenageados na noite de sábado no Concert for New York City, no Madison Square Garden, enquanto 46 mil pessoas acompanharam em Washington, no domingo, o United We Stand: WhatMore Can I Give. Com uma versão country acontecendo em Nashville, os eventos superaram a atenção conseguida com o Live Aid, nosanos 80. E ainda conseguiram arrecadar cerca de US$ 150 milhões, entre ingressos e doações.O evento de Nova York foi uma catarse para as pessoas envolvidas diretamente na tragédia. Organizado por Paul McCartney (que decidiu homenagear osbombeiros em memória a seu pai, que fazia parte de uma compahiade bombeiros de Liverpool), o evento foi programado paratransformar os convidados nas verdadeiras estrelas. Assim, ascâmeras de TV passaram as cinco horas do evento mostrando closesdo público e das fotos dos desaparecidos, que foram levadas porparentes e amigos convidados (o resto dos ingressos do MadisonSquare Garden foram vendidos para o público).O show começou com David Bowie fazendo uma introdução intimista,sentado no chão e tocando um órgão de brinquedo, seguindo comuma ótima versão de Heroes, seu hit dos anos 70. Seguiram-seperformances de Billy Joel, Mick Jagger, Destiny´s Child, EltonJohn e Janet Jackson, entre outros. Nos longos intervalos entrecada atração, celebridades como Meg Ryan, Harrison Ford, BillyCrystal e Jim Carrey faziam discursos em homenagem à coragem dospoliciais e bombeiros - um evento duro de acompanhar do começoao fim.No domingo, em Washington, o evento teve por protagonista Michael Jackson. Os Backstreet Boys entoaram o hino nacional e estrelas decalibre variado desencavaram músicas "apropriadas" para oclima de patriotismo que tomou conta do país.James Brown apresentou Livin´ in America. MariahCarey requentou seu hit Hero. Na falta de um repertórioexatamente temático, Rod Stewart apenas dedicou Rhythm of MyHearts para os "aliados" e Al Green arriscou Let´sStay Together. P.Diddy, o artista antigamente conhecido comoPuff Daddy, deu uma de DJ e emendou trechos de Born in theU.S.A., de Bruce Springsteen, e We Will Rock You. Para encerrar o evento, Michael Jackson apresentou sua What More Can I Give, que ele escreveu na tentativa dechamar a mesma atenção que We Are the World, de 1985. Mas a canção teve uma interpretação sofrível, com boa parte das estrelasdominando a letra apenas nos refrões.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2001 | 15h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.