Show reúne expoentes do Mangue Beat

Dois grandes nomes revelados pelo movimento Mangue Beat do Recife se apresentam nesta sexta-feira, de graça, no Velódromo da USP. Enquanto o músico Otto, ex-mundo livre S/A, exibe o repertório do seu segundo disco, Condom Black, a Nação Zumbi relembra seus hits e testa algumas músicas que estarão em sua segunda empreitada depois da morte de seu fundador, Chico Science. Premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte pelo seu segundo trabalho, Otto vai transformar o palco da USP em um grande terreiro. Com a mesma vontade de misturar e confundir, Otto acrescentou dois novos ingredientes ao seu caldeirão sonoro: a umbanda e o candomblé. Mais do que uma questão de fé, o candomblé entra na mistura de Otto como base musical, guiando todas as faixas do álbum. Comparado ao seu primeiro trabalho, Samba pra Burro, o novo CD do percussionista parece mais complexo, conceitual e difícil. Além das referências ao candomblé, Condom Black mescla jazz, samba, e muitos trocadilhos e aliterações. Otto não cansa de brincar com o significado das palavras, como na faixa Dilata ("dilata mulata teus olhos dilata/ só não me delete o teu coração, de lata, mulata"). Já a Nação Zumbi está pensando em melodias, sonoridades e batidas para seu próximo álbum, que sairá pela Trama. No show, Jorge Du Peixe (vocal), Lúcio Maia (guitarra), Alexandre Djengue (baixo), Toca Ogam (percussão), Gilmar Bolla 8 (percussão) e Pupilo (bateria) não esquecerão do velhos hits, como Manguetown e A Cidade. Serviço Otto e Nação Zumbi - Sexta-feira, às 22h30, no Velódromo da USP (Rua Alvarenga, portão 1, tel.: 3091-5372). Grátis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.