Show de Roger Waters promove encontro de gerações

O show de Roger Waters em São Paulofoi marcado pelo encontro de gerações. Quarentões e adolescentes, pais e filhos, antigos e novos fãs. Lado a lado, elesaguardavam, com ansiedade, assistir à apresentação inédita de umremanescente do grupo Pink Floyd. Os irmãos Fábio Chechetto, de18 anos, e Fabíola Chechetto, de 21 anos, engrossavam a turma do"gargarejo".Cada um desembolsou o "salgado" valor de R$ 350 - alémde R$ 40 total de frete - para poder instalar-se numa áreaprivilegiada, próxima ao palco, e ver bem perto o ídolo. "Foi arealização de um sonho", garantiu Fabíola. "O Pink Floydmarcou muito nossa vida, mesmo não fazendo parte da nossageração." Para o irmão Fábio, o fato de o show só trazer RogerWaters, sem os demais integrantes do grupo, já valeu o preço doingresso. "Roger foi o mentor do grupo."O empresário Roberto Skoeec Ribas, de 37 anos, veio deSão Mateus do Sul, no Paraná, numa excursão fechadaespecialmente para o show de quinta. Com os dois filhos, de 14 e18 anos, Ribas enfrentou cerca de 11 horas de viagem. "Na minhacidade, o Pink Floyd pode ser resumido em produto bom e bonito", enumerou o empresário, justificando tanto esforço. Os filhosforam os maiores incentivadores da viagem. "Desde que soubemosdo show, em questão de dois dias compramos o pacote daexcursão", comentou o filho Rafael.Excursão - Segundo a proprietária da Amplitur AgênciaOperadora de Turismo, Maria Cristina Arruda Botelho - queorganizou essa excursão em Curitiba -, a empresa enfrentouproblemas com o serviço de compra de ingressos pela Internet, oIngressofacil.com. Ela solicitou entradas para 72 pessoas quecompraram o pacote no começo do mês e, após muita insistência,as receberam só um dia antes de partirem para São Paulo."Pedimos, várias vezes, para o serviço de correio Sedex retiraros ingressos, mas a empresa sempre alegava que eles não estavamprontos. Foi preciso um motoboy ficar um dia esperando naempresa aqui em São Paulo, para pegá-los e enviá-los para nós emCuritiba."No show de quinta-feira, o público teve dificuldade dese deslocar nos setores com cadeiras. Algumas pessoas reclamavamtambém da desorganização do evento. Com os ingressos esgotadospara o dia, os cambistas vendiam bilhetes com até o dobro dopreço original. Um ingresso para a arquibancada, por exemplo,que custava R$ 40, na mão dos cambistas era vendido entre R$ 60e R$ 80.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.