Show de Roberto e Caetano em SP renderá especial de TV

Homenagem para Tom Jobim começou uma hora depois do previsto com a música Garota de Ipanema

Livia Deodato e Jotabê Medeiros, de O Estado de S.Paulo,

26 Agosto 2008 | 00h17

                                                                                                                                                                                         JF Diório/AE   SÃO PAULO - Desde 16 horas, Roberto Carlos encontrava-se no Auditório Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, local do show que estava previsto para começar às 21 horas desta segunda-feira, 25. No domingo, também havia passado a tarde inteira acertando detalhes do som. "Roberto busca a perfeição e fica ainda mais nervoso e ansioso pela responsabilidade em cantar canções de Tom Jobim", justificou o seu empresário, Dody Sirena. Já Caetano Veloso é uma outra história. "Ele só vai mesmo chegar no horário marcado para o início do show. Já ensaiou o suficiente", comentou Sirena.   Veja também: 50 anos da bossa nova  Grandes cantores e tantas emoções Ouça trecho de 'Como Dois e Dois'  Ouça trecho de 'Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos'  Ouça trecho de 'Lígia'    A apreensão do Rei também se agravou pelo fato de essa primeira apresentação em São Paulo ter sido escolhida como cenário para um programa especial da TV Globo, que vai ao ar no próximo dia 14 de setembro. Oito câmeras de alta definição foram posicionadas por todo o auditório para focar os melhores ângulos daquele que promete ser um show histórico da dupla. "Vamos recolher bastante material para futuramente produzirmos um filme", acrescentou o diretor televisivo Jodele Larcher, responsável por toda a gravação.   Luminares   Uma hora depois do horário previsto, às 22 horas, o show teve início ao som de Garota de Ipanema, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. Minutos antes, o crítico Zuza Homem de Mello leu um texto, no qual ressaltou que a dupla que subiria ao palco era formada por "artistas luminares". Roberto vestiu seu usual terno azul, a cor predileta não só dele como também da TV Globo ("parece que essa cor tem melhor definição na TV", disse Sirena). Na seqüência, cantaram Wave e Águas de Março, com o neto de Tom, Daniel Jobim, ao piano.   Roberto Carlos, que prepara os festejos de seus 50 anos de carreira no ano que vem, parecia relaxado e mais tranqüilo do que em anos recentes. Divertiu-se muito durante a versão de Tereza da Praia, que ele e Caetano cantam como um duelo verbal, e no meio da letra de A Felicidade, após o verso "a tristeza não tem fim", ele disse: "Mas tem fim sim. Tem que ter, bicho!".   Com Wanderley, músico da banda de Roberto, e Daniel Jobim ao piano, tocando a quatro mãos, e Jaques Morelenbaum no violoncelo, eles cantaram Chega de Saudade e emendaram em seguida Se Todos Fossem Iguais a Você, antes da qual Roberto disse: "Tô cantando essa canção para Tom Jobim". O show terminou às 23h25 com a segunda interpretação de Chega de Saudade.   Sirena afirmou que, depois do show, Roberto descansaria, pois além da apresentação que fará hoje, tem outro evento fechado para convidados no interior de São Paulo, em uma comemoração da TV Globo. O empresário de Roberto ressalta que os shows da dupla são mesmo históricos, pois há uma chance quase nula de conciliar a agenda de ambos novamente. "Roberto está com pouquíssimo tempo e cheio de compromissos por aqui, como a gravação do especial de fim de ano, além de diversos outros no exterior." Assim como no primeiro dia do show de João Gilberto, ocorrido há cerca de dez dias, o que se pôde notar foi uma marcante presença de famosos. Rodrigo Santoro, Daniella Cicarelli, Edu Guedes e Abílio Diniz fizeram a festa dos fotógrafos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.