Show de Caetano e Mautner em SP

Caetano Veloso chega com mais de uma hora de atraso para a entrevista coletiva no hotel Emiliano, em São Paulo, com Jorge Mautner ao seu lado. Antes que os jornalistas puxem qualquer assunto, ele afirma: ?Não senti o engarrafamento?. Ele e Mautner vinham do Morumbi, onde fica a sede paulistana da Rede Globo e onde pouco antes gravaram participação no Programa do Jô. Caetano, que diz odiar engarrafamentos, conta que ficou preso no trânsito ouvindo Jorge Mautner falar, e que por isso estava feliz. Se até num congestionamento os dois estão entrosados, a promessa é de que nos dois únicos shows do lançamento do disco Eu Não Peço Desculpas, a sintonia será fina. Eles se apresentam sábado e domingo no Via Funchal. Tudo indica que será um show eclético e mutante, como aliás foi a conversa deles com a imprensa na noite de quarta. Vai ter Adelino Moreira (Meu Vício É Você), Assis Valente (Amanhã Eu Dou), Noel Rosa (Feitiço da Vila), Caetano (Cajuína), Mautner (Maracatu Atômico) e Caetano & Mautner (Todo Errado, Tarado, Feitiço).Pelo que Caetano e Mautner falam entre si, haverá de tudo um pouco no show. Entre citações filosóficas que iam de Heiddeger ao candomblé, do Tropicalismo à música brega, eles pareciam gostar de tudo e todos. Mautner se emociona de repente, porque lhe vem à cabeça a doçura do povo brasileiro. ?Essa nação foi construída por escravos, e os escravos perdoaram seus algozes?, disse, com lágrimas nos olhos. Tudo, até a política, cai numa espécie de consenso geral que Mautner e Caetano criaram. ?Todos os candidatos a presidente são de esquerda, e uns são mais de esquerda ainda?, refletiu Caetano. O mesmo vale para a música, e por isso é de se esperar um repertório amplo e variado da dupla. Contra todo tipo de exclusão, Caetano proclama: ?Há muito tempo me rebelo contra essa muralha que deixa de fora músicos tão importantes para o povo brasileiro?. Falava de cantores e compositores populares que não tocam nas mesmas rádios que ele, como Odair José, Agnaldo Timóteo, Waldick Soriano e muitos outros. ?Me exigem há dez anos que eu odeie a música axé, que é uma das coisas que eu mais amo, a música de carnaval de Salvador. Isso tem inspiração nazista?, arremata Caetano.Assim, fica fácil prever que no show de Caetano e Mautner podem surgir coisas que não se usaria prever. Caetano é experiente em surpreender platéias. Ele contou ontem que em 1973, no Anhembi, cantou com Odair José a música Eu Vou Tirar Você Desse Lugar, de José. Sob vaias, teria dito: ?Nada mais Z do que um público classe A?. Se dessa vez ele e Mautner experimentarem o som do preconceito cultural, talvez sua resposta já esteja preparada: que tal ?Eu não peço desculpas??. Eu Não Peço Desculpas - Via Funchal. Rua Funchal 65, Vila Olímpia, tel.: 3044-2727. Sábado, 22h e Domingo, 20h. Ingressos de R$ 20 a R$ 100.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.