Sheryl Crow diz que foi censurada no Grammy

Sheryl Crow disse que os organizadores do Grammypediram a ela que não fizesse nenhuma manifestação contra apossível guerra dos Estados Unidos contra o Iraque em sua apresentação na cerimônia deste domingo. Acantora afirmou que pretendia fazer um protesto, mas o comitê doevento ligou para seu agente e informou que faria de tudo paraque a cerimônia fosse "neutra". Organizadores do Grammy negam,no entanto, que tenham desencorajado artistas a fazerdeclarações pacifistas. "Ninguém contatou nenhum artista parafalar de conteúdo", disse Neil Portnow, presidente da AcademiaNacional de Artes e Ciências Fonográficas, ao web site DrudgeReport. Na semana passada, a mesma página divulgou que a emissora de TV CBStinha ameaçado até cortar o som dos microfones de quem tentasse transformar o evento em comício. A guitarra de Crow tinhauma alça com a inscrição "Nada de guerra" quando ela cantou amúsica Steve McQueen. Ficou de fora da premiação qualqueroutra referência ao Iraque, com exceção da camiseta de ErikahBadu, que dizia, em letras garrafais "dead prez", gíria para"presidente morto", e de um comentário rápido de Fred Durst,do Limp Bizkit, apresentador da categoria de hard rock.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.