Chad Batka/The New York Times
Chad Batka/The New York Times

Shakira adia show em Israel e movimento de boicote comemora

Na semana passada, o cantor Gilberto Gil cancelou sua apresentação em Tel Aviv

O Estado de S.Paulo

29 Maio 2018 | 10h38

A cantora colombiana Shakira confirmou que adiará o show que tinha previsto oferecer em Israel e o movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), que tinha solicitado o cancelamento, comemorou o anúncio.

"A data da chegada de Shakira a Israel foi adiada", afirmou em uma breve mensagem à Agência Efe em nome da cantora a produtora musical "Arbel", encarregada de organizar o concerto, que estava previsto para 9 de julho.

"As partes estão conversando para coordenar uma nova data para o espetáculo", acrescentou.

A Campanha Palestina para o Boicote Acadêmico e Cultural de Israel (PACBI, por sua sigla em inglês, que faz parte do movimento BDS) agradeceu o gesto e garantiu que "centenas de câmaras municipais e organizações culturais palestinas, assim como milhares de admiradores e ativistas do boicote (...), pediram a Shakira que cancelasse".

Esta organização, que pede boicote e a interrupção de relações culturais, comerciais e esportivas com Israel até que se retire dos territórios palestinos, afirmou que os artistas, "especialmente os embaixadores da Boa Vontade da ONU", como Shakira, "têm um dever moral de não ser cúmplices na hora de ocultar as violações de direitos humanos".

Na semana passada, o cantor Gilberto Gil cancelou sua apresentação, que estava marcado para 4 de julho em Tel Aviv após considerar que o país atravessa "um momento delicado".

Além do artista baiano, outras personalidades do mundo da cultura manifestaram recentemente rejeição a Israel pela ocupação dos territórios palestinos, algum deles por ação direta do BDS, como o dramaturgo português Tiago Rodrigues, que cancelou sua participação no Festival Israel em Jerusalém, ao qual tinha confirmado presença

Enrique Iglesias, no entanto, tocou no domingo em Tel Aviv apesar dos chamadas ao boicote e afirmou à Agência Efe que ele "segue política como qualquer outra pessoa, mas não significa que não possa cantar em um país pela sua política".

A atriz americana Natalie Portman recusou receber no mês que vem o prestigiado prêmio Gêneses porque acredita que não poderia visitar o país "com a consciência tranquila" e Paul McCartney, agraciado com o prêmio Wolf de Música, também disse recentemente que não irá recebê-lo em 31 de maio, por problemas de agenda.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.